ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  16    CAMPO GRANDE 19º

Faz Bem!

Cavalos viram “terapeutas” para quem busca desestressar no dia a dia

São várias atividades diferentes que incluem cavalos na Capital, que vão além do hipismo clássico

Por Bárbara Cavalcanti | 19/09/2021 07:51
Uma das praticantes montando um cavalo. (Foto: Arquivo/Montana Academia Equestre)
Uma das praticantes montando um cavalo. (Foto: Arquivo/Montana Academia Equestre)

As atividades ao ar livre ganharam ainda mais popularidade durante a pandemia, principalmente entre quem já tem idade mais avançada e precisa de cuidado redobrado na hora de se exercitar. Atividades então que envolvem animais, especificamente o cavalo, são uma das opções que aliviam e com segurança. “O melhor terapeuta do mundo é o cavalo”, comenta a administradora Suzana Mendes, de 40 anos.

Existem várias opções com diferentes atividades na capitl. Algumas delas são oferecidas pela Montana Equestre, cuja aula de Horse Pilates já apareceu aqui no Lado B. “Nós temos modalidades esportivas e terapêuticas.  Desestressar é apenas um dos fatores. Tratamos também depressão, ansiedade, e até outras doenças que deixam sequelas, como um AVC, por exemplo. Tudo isso com equinos”, detalha.

Durante a pandemia, ela ainda relata que a procura aumentou bastante justamente nas modalidades terapêuticas. “Na pandemia, as pessoas buscaram na terapia o refúgio e o acalento para lidar com ansiedade, com perdas. São várias modalidades para que ela sinta no cavalo todos os benefícios, de desestressar o corpo e principalmente, a mente. E é para todas as idades, o praticante mais velho tem 89 anos”, reforça.

Praticante em cima do cavalo durante uma das atividades. (Foto: Arquivo/Montana Academia Equestre)
Praticante em cima do cavalo durante uma das atividades. (Foto: Arquivo/Montana Academia Equestre)

É possível fazer uma aula experimental na academia. Não é necessária experiência prévia com cavalos. Quem já passou por algum tipo de quebradura óssea, precisa apresentar um laudo médico. O endereço é no Parque de Exposições Laucídio Coelho, na Acrissul, na Rua Américo Carlos da Costa, 320, no Bairro Jardim América. Informações estão disponíveis no telefone (67) 98472-0272.

Há também a prática do hipismo clássico, que é oferecido em outros lugares, como por exemplo a Escola Hípica Soberano. Além das aulas de equitação e salto com os cavalos, há a opção também de equoterapia com profissionais. Há aulas para adultos e crianças, além de cavalgadas e até acampamento de férias. A escola fica Rua Rio Doce, 996, no Bairro Jardim Veraneio. Mais informações estão disponíveis no telefone (67) 99261-0322.

A Escola Hípica de Campo Grande, que fica dentro do Círculo Militar, não é restrita para os militares e oferece aulas de hipismo abertas para quem quiser interesse. Lá, também é possível fazer uma aula experimental. O endereço é na Rua Rogarciano Ferreira Mendes, 270, no Bairro Taveirópolis. Todas as informações estão disponíveis no contato 67) 99637-8081.

Por fim, quem busca outra conexão com o cavalo, pode até experimentar a Doma Índia. O curso presencial é ministrado pelo professor gaúcho Paulo Augusto Vieira Pietry, de 23 anos. O Lado B conferiu como funciona o curso quando ele veio para Campo Grande pela primeira vez.

Paulo Augusto domando um dos cavalos durante o curso de Doma Índia. (Foto: Arquivo/Paulo Francis)
Paulo Augusto domando um dos cavalos durante o curso de Doma Índia. (Foto: Arquivo/Paulo Francis)

A doma índia é uma técnica ancestral de doma e amansa de cavalos. No curso, o participante se conecta com o cavalo por meio de experiências sensoriais, corporais e comportamentais, assim aprendendo as técnicas da doma. Os participantes inclusive acampam juntos. A nova edição acontece no dia 15 de outubro e tem vagas limitadas. As informações completas estão disponíveis no telefone (67) 99677-7171.

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário