ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  11    CAMPO GRANDE 19º

Faz Bem!

Depois do câncer, Aldenora aproveita cada minuto da vida viajando

Ela retornou nesta semana de uma viagem que fez para Rondônia, mas já planeja comemorar o aniversário nos lençóis maranhense

Por Alana Portela | 17/05/2019 07:10
Aldenora em frente à Torre de Londres e Tower Bridge (Foto: Arquivo pessoal)
Aldenora em frente à Torre de Londres e Tower Bridge (Foto: Arquivo pessoal)

O câncer é uma doença severa que te faz refletir sobre a vida e a forma que está vivendo. Foi isso que aconteceu com a dona Aldenora de Lima Silva, de 69 anos, que aprendeu a valorizar cada momento do seu dia e hoje passa boa parte do tempo viajando e conhecendo novos lugares. A ideia dos passeios é antiga, e o plano era fazer os trajetos ao lado do esposo. No entanto, ele faleceu, mas deixou na companheira os sonhos e a esperança de dias melhores.

Aldenora relata que combinou de viajar com o marido quando os filhos tivessem crescidos. “O plano era esperar os filhos crescerem e depois viajar bastante porque com criança pequena não dá para sair tanto. Mas, meu esposo faleceu em 1995 de câncer”, lembra.

O falecimento do companheiro a fez entristecer, mas uma amiga que veio de fora incentivou a fazer viagens. “A partir de 1996 comecei a viajar, fui para o nordeste. Minha amiga que veio para me dar apoio, eu precisava dar uma saída e foi maravilhoso. Com o apoio dos meus filhos, algum tempo depois continuei os passeios”, recorda.

Viagem ao Vale Nevado, Santiago - Chile, dona Aldenora gostou de conhecer a neve  (Arquivo pessoal)
Viagem ao Vale Nevado, Santiago - Chile, dona Aldenora gostou de conhecer a neve (Arquivo pessoal)

As viagens continuaram e tudo parecia bem, até que em 2012 Aldenora descobriu que estava com um linfoma. “Era o câncer e para tratar fiz quimioterapia. Depois disso me curei e resolvi acordar pra vida, porque não adiantar nada ficar apenas guardando dinheiro. Preciso viver e conhecer novos lugares”, conta.

“Tem cinco anos que me curei do câncer. Antes de casar eu era técnica em contabilidade, mas após o casamento fui rainha do lar. Meu marido era do exército, faleceu e sou pensionista militar então tenho meu salário e tinha minha mãe também que me patrocinava, fazia questão de me ver nos passeios”, lembra.

Entre as memórias de quando começou a viajar, Aldenora comenta sobre um pacote que comprou. “Foi a primeira viagem do ano, fui para Ponto Seguro, depois Natal. Gostei de conhecer coisas novas e algum tempo após fui para Bueno Aires. Lá meus compadres me acompanharam, foi lindo e mais barato do que ir para o município de Bonito”, disse.

“De lá pegamos um cruzeiro e voltamos para o Rio de Janeiro, isso tem mais de cinco anos. Lembro-me que em Buenos Aires tinha shows de tango, isso me encantava e desse trajeto paramos em Montevidéu”, relata. “Adoro a natureza, ver o mar. Moro em Campo Grande desde 1972, mas nasci em Rio Branco”, complementa.

Viagem que fez para Manaus e encontrou uma cobra (Arquivo pessoal)
Viagem que fez para Manaus e encontrou uma cobra (Arquivo pessoal)

Depois que começou a “voar”, Aldenora conta que os filhos, Claudio e Cleidson Lima têm um Museu Videogame itinerante e também visitam vários cantos do país. Quando isso acontece, sempre vai junto, mas o plano não é ajudar no trabalho. “Fui com eles para Natal, Manaus, Belém, Rio, Maceió, onde estiver pode crer que estou junto”, destaca.

A aventureira chegou nesta semana de Porto Velho. “Fui passear com o Cláudio. Ele ficou trabalhando, enquanto eu batia perna. Gosto de tudo, dos animais, do local, de fotografar”, conta. Entre as viagens que mais difíceis para Aldenora, foi a vez que embarcou para Londres. “Rompi essa barreira, tinha receio de ficar mais de dez horas no avião, e fui até convidada para conhecer a Disney, mas não sou criança para ir em parques”, fala.

“Quebrei essa barreira, agora o céu é o limite. Se me chamar eu vou”, brinca dona Aldenora toda sorridente. “Já fui para o Chile em 2016 e amei aquele vale nevado, passei uma semana lá”, afirma.

“Meu marido era transferido. Eu sou de Rio Branco e ele do Pernambuco, morávamos em Rondônia e viemos para Campo Grande. Depois ficamos em Corumbá, fomos Belém então acostumei a andar com ele. Conheço o Brasil quase todo, na região do nordeste está faltando apenas o Maranhão que estarei indo em Julho deste ano. Meu cartão não para é só pagando passagem. Estive em Recife, Porto de Galinhas, Tamandaré”, conta.

Das viagens para o exterior, a aventureira esteve no Chile onde patinei na neve. “Parecia criança, fazendo boneco de neve”, disse. Voltando para o Brasil ela recorda da vez que tirou foto com uma cobra. “Essa foi em Manaus, quando fui ver o encontro das águas de Rio Negro e Solimões. Fizemos uma parada e o dono da cobra me deixou pegá-la”.

Dona Aldenora em Fortaleza toda feliz por viajar (Arquivo pessoal)
Dona Aldenora em Fortaleza toda feliz por viajar (Arquivo pessoal)

Os locais por onde Aldenora passa a encantam, mas ela gosta viajar para cidades diferentes. “Procuro estar indo no novo, mas já retornei a Fortaleza quatro vezes. Lá o que gosto mais é do mar com as águas quentes. Também curto Jericoacoara no Ceará, o pôr do sol daquela região é lindo”.

No mês de julho, dona Aldenora faz planos para celebrar os 70 anos de vida no dia 25, no Maranhão. “Passarei a data nos lençóis maranhenses. Farei uma festa lá e outra aqui”, afirma.

Planos - Apesar de ter viajado para tantos locais, Aldenora relata que deseja conhecer Belo Horizonte, Minas Gerais e Teresina. “Os filhos já estão criados mesmo”, dispara. Ela conta que é Claudio e Cleidson a ajudam encontrar novidades e comprar promoções de viagens pela internet.

Em Mato Grosso do Sul ela revela que conheceu poucos municípios. “Conheço Dourados, Corumbá, Ponta Porã e Campo Grande. A cada dois anos volto para o Acre. A viagem mais cara foi para Londres, mas fiquei pagando um pacote mensal durante um ano”, disse. E apesar de viajar com frequência, Aldenora afirma que é controlada quando o assunto é dinheiro.

“Controlo minhas contas. Estou dentro do meu salário, nunca estourei o limite do cartão. Não faço planejamento das viagens antes, mas sei até onde posso ir. Depois do câncer minha lição foi de dar valor a vida e a família”, destacou.

Os planos de Aldenora para esse ano é continuar viajando e quem sabe até conhecer o papa Francisco. “Estou com um projeto, preciso ir para a Itália, quero conhecer a Roma e ir ao Vaticano para tentar ver o papa de perto”, finaliza.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram

Dona Aldenora ainda no Vale Nevado em Santiago (Foto: Arquivo pessoal)
Dona Aldenora ainda no Vale Nevado em Santiago (Foto: Arquivo pessoal)