A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 20 de Agosto de 2019

26/01/2019 07:16

No Global Game Jam, galera nerd tem 48 horas para criar jogos sobre “lar”

Cerca de 6 equipes e alguns desenvolvedores independentes vão desenvolver games sobre “O que lar significa para você?”

Tatiana Marin
Evento começou às 16h desta sexta-feira (25) e tem como tema “O que lar significa para você”. (Foto: Tatiana Marin)Evento começou às 16h desta sexta-feira (25) e tem como tema “O que lar significa para você”. (Foto: Tatiana Marin)

Se você fosse descrever os aficionados em vídeo games certamente seria um jovem nerd por volta dos 20 anos. Pois as características se confirmam entre a maioria dos participantes da Global Game Jam (GGJ) que começou às 16h desta sexta-feira (25) no Living Lab em Campo Grandee tem como tema “O que lar significa para você”.

Logo que o vídeo de abertura terminou, formaram-se 6 equipes, além de alguns desenvolvedores independentes, predizendo que às 16 horas de domingo pode haver 8 jogos ou mais. Tudo depende de como os times trabalharão nas 48 horas.

 

Participantes trocando ideias na concentração do evento. (Foto: Tatiana Marin)Participantes trocando ideias na concentração do evento. (Foto: Tatiana Marin)

Segundo o músico e produtor musical Rodrigo Faleiros, da produtora Wagging Tail, que trouxe e organiza o evento em Campo Grande, até o início, eram cerca de 30 desenvolvedores. “Superou nossas expectativas. Como é a primeira edição, estávamos esperando umas 20 pessoas”, disse.

São em sua maioria programadores que tem algum talento a mais, conforme explica o músico e produtor musical Rodrigo Faleiros, da produtora Wagging Tail, que trouxe o GGJ para Campo Grande pela primeira vez. “São programadores com um algo mais. Às vezes entende de design, modelagem 3D, áudio”, descreve.

Ainda durante a concentração, ainda sem saberem do tema, ninguém arriscava pensar em como seria o jogo, para não limitar a criatividade depois. Além do tempo limitado para planejar e programar um game, o tema também foi instigante.

Erick, à direita, dando instruções para o time. (Foto: Tatiana MarinErick, à direita, dando instruções para o time. (Foto: Tatiana Marin

Erick Gomes da Silva, de 28 anos, líder de projeto de uma das equipes comentou sobre a revelação. “O tema foi desafiador porque é bem abstrato. Foi difícil de pensar no começo, mas chegamos a uma ideia boa. Ficou bem simples e vai ser rápido. Achamos que vai surpreender o pessoal”, promete ele que tem uma equipe de jovens, todos com alguma experiência.

Como o foco do evento não é a competição e sim a integração, as equipes podem se ajudar. Muitos dos participantes são alunos do curso de Técnico em Programação de Jogos Digitais do Senac, do qual Peterson da Silva Santos, de 40 anos, é professor há 5 anos.

Ele é um dos únicos que tem mais de 20 e poucos anos. Além de lecionar, ele tem uma empresa de desenvolvimento de jogos e tem um game pronto e rodando para XBox One. Além de orientar as equipes, ele pretende, em modo ‘solo’, desenvolver seu próprio jogo na jam.

“Já participei de outros eventos do tipo. O objetivo é a integração. O foco é criar esse ecossistema de desenvolvedores, criar empresas”, descreve.

Concentração da Global Game Jam. (Foto: Tatiana Marin)Concentração da Global Game Jam. (Foto: Tatiana Marin)
imagem transparente

Classificados


Copyright © 2019 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.