ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  18    CAMPO GRANDE 26º

Lado Rural

Ano de crise no agro fez disparar recuperação judicial, diz advogado

Aumentou procura por possibilidade de renegociar dívidas com credores

Por Maristela Brunetto | 19/04/2024 12:12
Expectativa de colheita da soja foi prejudicada pela queda na produtividade e agricultores ficaram endividados (Foto: Arquivo Aprosoja)
Expectativa de colheita da soja foi prejudicada pela queda na produtividade e agricultores ficaram endividados (Foto: Arquivo Aprosoja)

O comportamento climático no final do ano passado e a queda no preço de commodities fez desencadear o aumento da procura pelo instituto da recuperação judicial por produtores rurais, em busca de condições para renegociar as dívidas, segundo o advogado Lucas Mochi, especialista na área. No ano de 2023, levantamento do Serasa Experian já havia apontado elevação de 535% em relação a 2022, mas neste ano o cenário se complicou porque a estiagem prejudicou o plantio e afetou a produtividade, fator somado à queda nos preços de mercado.

Mochi explica que há produtores em situação de endividamento sistêmico, decorrente da dinâmica do agro, de buscar financiamento, pagar juros e obter o lucro com a venda da safra. A situação afeta principalmente o agricultor, diz, sem situações recentes impactando a atividade pecuária.

Mochi, advogado especialista em recuperação judicial, vê o instituto mais compreendido na sociedade e necessário para ajudar agricultores (Foto: Arquivo pessoal)
Mochi, advogado especialista em recuperação judicial, vê o instituto mais compreendido na sociedade e necessário para ajudar agricultores (Foto: Arquivo pessoal)

Ele relata que o escritório do qual é sócio, Pimentel e Mochi Advogados, tem sido demandado com frequência e a cada semana um novo pedido é distribuído à Justiça. Apresentado e deferido o pedido de RJ, o produtor adquire condições de renegociar valores e prazos com credores. A legislação prevê um fôlego de 180 dias, podendo ser prorrogado por igual período.

Conforme o advogado, a renegociação admitida recentemente pelo Governo Federal, que estende prazos, cuja adesão deve ocorrer até 31 de maio, não é suficiente para atender todas as situações vivenciadas pelos agricultores, uma vez que muitos se comprometeram com bancos privados. As regras beneficiam quem plantou soja, milho e pecuária de leite e corte no caso de Mato Grosso do Sul.

O advogado comenta que o setor rural vivenciou insegurança quando o ministro da Agricultura, Carlos Favaro, foi ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça), em março, discutir a tramitação de processos de RJ, alegando que a banalização do instituto poderia gerar temor quanto à liberação de créditos pelo sistema financeiro. Mochi lembra que o acesso à recuperação foi uma vitória para o setor, que antigamente se valia do recurso por meio da jurisprudência, com a inclusão expressa na Lei de Falências.

Ele analisa que a utilização da recuperação nos últimos anos por grandes empresas possibilitou maior debate sobre o instituto e “maior compreensão da importância e necessidade” da RJ. Segundo ele, encaminhado o processo de recuperação, acordos de renegociação ocorrem com alguns credores e a resistência existe na área bancária, talvez para evitar precedentes. No processo de RJ, os encaminhamentos são decididos em assembleia com os credores.

Para a safra deste ano, os produtores do Estado estimavam alcançar a meta, de colher 13,8 milhões de toneladas de soja, reduzida em uma tonelada no levantamento mais recente. Esse volume representa queda de 13,89% em relação à safra anterior.

Nos siga no Google Notícias