ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 13º

Lado Rural

China começa a vistoriar 4 frigoríficos de MS para aumentar a importação

Ao todo, 28 frigoríficos do País estão sendo avaliados; conclusão deve ser feita em até duas semanas

Por José Roberto dos Santos | 15/01/2024 16:39
Frigorífico brasileiro habilitado a exportar para a China; outras 28 unidades serão inspecionadas em todo o País. (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
Frigorífico brasileiro habilitado a exportar para a China; outras 28 unidades serão inspecionadas em todo o País. (Foto: Arquivo/Agência Brasil)

Mato Grosso do Sul tem a possibilidade de aumentar as exportações de carne bovina. A partir desta segunda-feira (15), auditores da Administração-Geral de Alfândegas da China realizam, de maneira virtual, vistoria em 28 frigoríficos do Brasil para possíveis novas habilitações para o mercado Asiático. Deste total, quatro estão em MS, sendo duas unidades do JBS em Campo Grande, uma em Naviraí e uma unidade do Boibras, em São Gabriel D’Oeste.

Segundo o gerente-técnico da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), José Pádua, “a expectativa para o setor da bovinocultura de corte é de um aumento na demanda, caso as habilitações sejam confirmadas, podendo refletir no preço da arroba e trazendo melhorias para o produtor rural, que já está preparado para suprir as necessidades do consumidor”, afirmou.

Segundo nota técnica distribuída à imprensa pela federação, em 2023, a produção de carne bovina do Estado alcançou 3,59 milhões de animais abatidos, queda de 0,42% em relação aos 3,60 milhões de abates em 2022. O número de fêmeas cresceu 4,64% entre 2022 e 2023, correspondendo a 51,30% dos animais abatidos e totalizou 1,84 milhão de cabeças.

Principais destinos da carne de MS

A China foi o principal destino da carne bovina sul-mato-grossense em 2023, sendo que os embarques para o país asiático corresponderam a 26,17% do total de carne bovina exportada, com o equivalente a 50,4 mil toneladas. O número representa 18,03% a menos que as 61,5 mil compradas em 2022. Chile, Estados Unidos e Arábia Saudita aumentaram as compras em 23,61%, 12,77% e 27,51%, respectivamente.

Nos siga no Google Notícias