ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, QUARTA  01    CAMPO GRANDE 19º

Lado Rural

"Depende deles, não de mim”, diz Teresa Cristina sobre exportação para a China

Ministra fala ainda que o setor vive bom momento e que novas portas para o mercado externo devem se abrir

Por Beatriz Magalhães | 25/11/2021 17:49
Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina fala sobre negociação com a China (Foto: Kísie Ainoã)
Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina fala sobre negociação com a China (Foto: Kísie Ainoã)

Autoridades da China liberam importação de lotes de carne bovina que foram certificadas antes de serem embargadas no dia 4 de setembro, contudo, a exportação da carne brasileira ainda está suspensa. Para a ministra de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, o Brasil tem apresentado documentos comprovando a segurança sanitária da proteína, e que a decisão não depende dela.

“A estratégia do governo sempre foi essa [abrir o mercado internacional]. A China sempre será um parceiro estratégico, tanto do Brasil quanto dos Estados Unidos. Eles precisam, não têm a autossuficiência de produz para toda a população e sempre vão precisar de quem produz como Brasil e Estados Unidos”, e quando questionada sobre uma expectativa de quando o embargo pode ser desfeito, a ministra afirma: “Depende deles não de mim”

Relação Brasil x China - A China é o principal comprador de carne bovina brasileira, importando cerca da metade da proteína exportada pelo Brasil. Com o embargo, às exportações da carne nacional caíram, entretanto o cenário tende mudar, principalmente com a reabertura da Rússia.

“Acho que o setor vive um bom momento, não só de preços como também de aumento de produção. Mercado se abrindo, ele tentando [voltar a exportar para] a Rússia. Estive lá para falar sobre fertilizantes, e estivemos conversando com autoridades sanitárias e voltamos com uma boa notícia sobre a aprovação da compra de 12 plantas brasileiras. Devemos receber a visita deles no primeiro trimestre do próximo ano para que possamos fazer mais”, afirma a ministra.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário