ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 27º

Meio Ambiente

Acordo protege 11 hectares para regularizar estacionamento no Parque dos Poderes

Documento colocou fim à ação judicial proposta pelo MPMS contra o desmatamento de mata nativa do TJMS

Gabriela Couto | 29/08/2023 17:45
Imagem aérea do Parque dos Poderes, com destaque à sede do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que foi alvo de ação do Ministério Público do Estado contra o desmatamento para fazer estacionamento (Foto: Gabriel Marchez)
Imagem aérea do Parque dos Poderes, com destaque à sede do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul que foi alvo de ação do Ministério Público do Estado contra o desmatamento para fazer estacionamento (Foto: Gabriel Marchez)

O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) recebeu um termo de acordo que autoriza a preservação de 11 hectares do Parques dos Poderes onde era autorizada a supressão na Legislação Estadual 5.237/2018.

O documento protocolado nesta segunda-feira (28) põe fim à ação judicial proposta pelo MPMS contra a supressão de mata nativa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Em contrapartida, visa regularizar áreas que já são utilizadas por servidores como estacionamentos de forma improvisada. A ideia é ampliar vagas em sete secretarias e a Procuradoria-Geral do Estado.

A assessoria de imprensa do governo acrescentou que o acordo ainda não foi homologado e deverá passar por tramitação até se transformar em um projeto de lei para ser aprovado na Assembleia Legislativa.

Assinaram o documento o Ministério Público, Governo do Estado e do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), figurando como intervenientes o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) e a Defensoria Pública.

Conforme o promotor de justiça Luiz Antônio Freitas de Almeida, o acordo traz ganhos significativos para a proteção ambiental caso seja homologado. “Salvo as novas áreas passíveis de serem criadas por lei e expressamente previstas no acordo, ficará proibido criar novas áreas de permissão de supressão arbórea, ainda que por lei”, pontuou.

O promotor ressalta que haverá a proteção de mais de 11 hectares de vegetação nativa, as quais eram passíveis de desmate considerando o regime trazido pela Lei Estadual n. 5.237/2018 e que, com o acordo, ficarão totalmente blindados de desmatamento, mesmo que a lei assim permita.

Na prática, o desmatamento previsto no TJMS, que era alvo da ação do MPMS, seria substituído pela construção e ampliação do centro político do Estado. Ou seja, a área que sofreria supressão no Poder Judiciário foi desmembrada para retirada de parte da mata nativa que ainda existe em porções menores próxima à cada pasta do Executivo. A previsão é que sejam removidos de cerca de 2,5 hectares cada um dos oito prédios.

Imagem de cima mostra a visão aérea do Parque dos Poderes e suas secretarias, embaixo o destaque para as áreas rosas onde foi feita a proposta de ampliação do estacionamento das secretarias e Procuradoria Geral do Estado (Foto: Reprodução) 
Imagem de cima mostra a visão aérea do Parque dos Poderes e suas secretarias, embaixo o destaque para as áreas rosas onde foi feita a proposta de ampliação do estacionamento das secretarias e Procuradoria Geral do Estado (Foto: Reprodução)

Também ficou determinado que a compensação ambiental das áreas desmatadas deverá ser realizada dentro do Complexo dos Poderes ou em território próximo. Haverá ainda a possibilidade da realização de uma audiência pública antes de autorizar o desmatamento das áreas.

Luiz Antônio afirmou ainda que com o acordo será evitada a fragmentação de corredores ecológicos. “É inequívoco que o desmatamento passível de ocorrer nas áreas indicadas no acordo trará, quando realizado, alguns impactos ambientais, como toda intervenção antrópica causa. No entanto, entende-se possível a homologação judicial em função do ganho ambiental obtido com a avença e diante da percepção de que esses ganhos diminuirão esses impactos a níveis toleráveis, até porque haverá, como falado, compensação mediante reflorestamento em área dentro do mesmo Complexo”, concluiu.

O Parque dos Poderes abrange uma área total de aproximadamente 243,53 hectares, dos quais aproximadamente 185,63 hectares são recobertos por vegetação nativa e os demais 57,90 hectares são áreas já antropisadas.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News. 

Confira a galeria de imagens:

  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
  • Campo Grande News
Nos siga no Google Notícias