ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 27º

Meio Ambiente

Apoio aéreo chega para reforçar combate ao fogo no Pantanal

Corpo de Bombeiros, Prevfogo e brigadistas enfrentam focos em regiões críticas e de difícil acesso do bioma

Por Gabriela Couto | 08/06/2024 12:01

Cinco bombeiros militares do Grupamento Aéreo do Corpo de Bombeiros estão dando suporte aos 73 militares que estão envolvidos nas operações de combate aos incêndios no Pantanal.

A aeronave Air Tractor auxilia no transporte de até 3 mil litros de água par áreas de difícil acesso. A fumaça e o cheiro forte de matéria queimada têm prejudicado a população de Corumbá.

Conforme as informações da assessoria de imprensa, uma equipe está monitorando focos na região do Forte Coimbra. No local, o foco voltou a reignição, a área segue sendo monitorada devido à sua natureza alagada. Até o momento, 663 hectares foram queimados.

A guarnição próxima a Corumbá realizou monitoramento com o uso de drones e identificou uma linha de fogo ativa. O combate foi retomado hoje, com o apoio de helicópteros para infiltração dos militares.

Na região do Paraguai Mirim, equipes realizaram operações de rescaldo e monitoramento em áreas afetadas pelos incêndios florestais na região de Porto Laranjeira ontem. As ações de rescaldo foram conduzidas na área combatida na quinta-feira (6). Os militares ainda monitoraram a região da Escola Jatobazinho, que conta com o apoio da Brigada Alta Pantanal, do IHP (Instituto Homem Pantaneiro).

Seis brigadistas do Instituto do Homem Pantaneiro protegeram escola Jatobazinho após dois dias de combate aos incêndios (Foto: IHP)
Seis brigadistas do Instituto do Homem Pantaneiro protegeram escola Jatobazinho após dois dias de combate aos incêndios (Foto: IHP)

Os brigadistas exterminaram o fogo após dois dias e conseguiram resguardar a escola  mantida pela Acaia Pantanal. Foram usados sopradores, roçadeiras, moto-bomba e 8 lances de mangueira (em torno de 80 metros). Foi retirada água do rio para buscar resfriar a vegetação e apagar alguns focos.

Nesta sexta-feira (7) à tarde houve uma vistoria e o fogo mostrou-se ter reduzido, sem o risco evidente de ‘pular’ o rio. Infelizmente, ainda há riscos e por isso a região é considerada prioritária para monitoramento.

Na região do Paraguai Mirim, próximo a Fazenda Jatobazinho, bombeiros realizaram um combate noturno, com reforço da aeronave air tractor. O apoio foi importante para resfriamento da área afetada para intensificar o combate e proteger a vegetação da mata ciliar.

Na manhã deste sábado, equipes foram mobilizadas para um novo foco de incêndio na região de Paraguai Mirim, em uma área de difícil acesso. Este foco ganhou intensidade ontem, ao longo do dia, devido às condições climáticas adversas.

Fumaça cobre rio na região do Paraguai Mirim (Foto: IHP)
Fumaça cobre rio na região do Paraguai Mirim (Foto: IHP)

A guarnição que atua próxima a Corumbá realizou monitoramento com o uso de drones e identificou uma linha de fogo ativa. O combate foi retomado hoje, com o apoio de helicópteros para infiltração dos militares.

Na região do Caimasul, foram empenhadas duas guarnições para monitorar a área onde foram feitos aceiros para controlar o incêndio. A área afetada atualmente é de 925 hectares. Além dos bombeiros, há apoio de brigadistas particulares e do Prevfogo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias