ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  20    CAMPO GRANDE 25º

Meio Ambiente

Liminar impede inicio de obra em área de 3,3 hectares no Parque dos Poderes

Governo pediu autorização ao Imasul para desmatar área destinada à nova sede da Sefaz. Até agora, obra nem começou

Por Aline dos Santos e Fernanda Palheta | 21/08/2019 12:48
Parque dos Poderes protagoniza impasse sobre desmatamento de área. (Foto: Gabriel Marchese)
Parque dos Poderes protagoniza impasse sobre desmatamento de área. (Foto: Gabriel Marchese)

A guerra judicial sobre o desmatamento de 3,31 hectares no Parque dos Poderes para construção de sede da Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda) tem novo capítulo: o começo da obra fica suspenso até a decisão de mérito. A liminar, que na prática pretende impedir o desmate, foi concedida em 8 de agosto pelo desembargador Fernando Mauro Moreira Marinho, do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

“Concedo parcialmente a tutela antecipada recursal, para o fim de determinar que o Estado de Mato Grosso do Sul se abstenha de executar qualquer obra na área, objeto do pedido de autorização (procedimento administrativo n.03556/2018 (71/404978/2018), mesmo que obtenha autorização ambiental para tanto, até decisão de mérito nos autos da presente ação cautela”, afirma a decisão.

O procedimento administrativo citado pelo desembargador é no qual o governo pede autorização ao Imasul (Instituto de Meio Ambiente) para o desmatamento da área de 3,31 hectares.

Capítulo 1 - Primeiro, o pedido para retirada de vegetação no Parque dos Poderes motivou uma ação popular do advogado Ricardo Pereira dos Santos. A solicitação era para suspender o procedimento administrativo no Imasul.

A liminar foi negada pelo juiz 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, José Henrique Neiva de Carvalho e Silva. Mas o advogado recorreu ao TJ e o mesmo desembargador Fernando Marinho concedeu liminar barrando o desmatamento.

O governo do Estado foi então ao presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Paschoal Carmello Leandro, que derrubou a decisão, liberando o desmate dos 3,31 hectares. Contudo, o impasse não chegou ao fim.

Capítulo 2 - Uma segunda ação foi apresentada à Justiça pelo MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). No processo, o promotor Luiz Antônio Freitas de Almeida citou a conexão entre desmate, assoreamento nos córregos que formam o lago do Parque das Nações, riscos à fauna e flora, além de tombamento provisório do Parque dos Poderes.

Em 24 de julho, o juiz José Henrique Neiva de Carvalho e Silva voltou a negar o pedido para suspender o procedimento no Imasul. Na sequência, o MP/MS recorreu ao Tribunal de Justiça. Nessa última decisão, o desembargador Fernando Marinho não vê conflito entre a liminar concedida por ele e a decisão do presidente do Tribunal de Justiça.

“Vejo que não se pode neste momento determinar a suspensão do procedimento administrativo, cuja validade, está sendo discutida nestes autos, tendo em vista a decisão proferida pelo presidente deste Tribunal de Justiça. Entretanto, nada obsta que seja concedida a tutela antecipada recursal para o fim de determinar que o recorrido se abstenha de realizar obra na área em discussão, até o julgamento do mérito da ação de origem”, afirma Marinho.

Ou seja, em vez de suspender o procedimento administrativo para o desmatamento, a decisão proíbe a obra. 

Lei estadual - Titular da Semagro (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Família), Jaime Verruck, disse nesta quarta-feira (dia 21) que não foi informado sobre a nova liminar.

A Lei Estadual 5.237, publicada no ano passado, libera 11 áreas do Parque dos Poderes para desmatamento, incluindo os 3,3 hectares para obra da Sefaz. A mesma lei veta retirada da vegetação em outros 467 hectares.

De acordo com o governo, o desmatamento nas onze áreas excluídas da lei não é automático, ou seja, o pedido precisa passar por análise do Imasul sobre os regramentos da legislação ambiental.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário