ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 20º

Meio Ambiente

Mulher resgata arara ferida, tenta ajuda sem sucesso e chora ao ver ave morta

Por Viviane Oliveira | 15/05/2012 12:37

Ela encontrou a ave na manhã de ontem com a asa quebrada, acionou os órgãos ambientais e ninguém foi buscar o bicho.

Yenny sofre e chora com a arara já morta nas mãos. (Fotos: Minamar Júnior)
Yenny sofre e chora com a arara já morta nas mãos. (Fotos: Minamar Júnior)

Lágrimas no rosto e uma ave morta nas mãos. A cena, que para muitos pode parecer exagero, é o retrato do apego e ao mesmo tempo indignação de uma mulher que lutou, até o fim, para salvar a vida de uma Arara Canindé em Campo Grande.

A jornalista Yenny Caballeiro conta que a saga começou quando a arara caiu com a asa quebrada de um coqueiro na manhã de ontem (14), na rua José Tavares do Couto, no bairro Itanhanga Parque, em Campo Grande. “Eu vi que ela estava com a asa quebrada, então a peguei com cuidado e coloquei dentro de uma bacia”, disse.

A partir daí a jornalista começou a ligar para todos os órgãos de meio ambiente na tentativa de conseguir salvar a arara. No entanto, afirma, ninguém apareceu para buscá-la e a ave amanheceu morta. “Nós fomos até orientados a não dar comida, água e nem ficar olhando muito para não estressar o bicho”, relata.

Para Yenny, o fato só reforça o que ela já sabia "a falta de respeito, consideração e responsabilidade" dos órgãos públicos. “Eu já chorei tanto por causa dessa arara”, lamenta a mulher com a ave nas mãos.

A PMA (Polícia Militar Ambiental) foi acionada para ir até a casa em busca do animal, porém, de acordo com o major, Ednilson Queiroz, das duas viaturas disponíveis, uma estava em Terenos e a outra em Rochedo, em um chamado de denúncia.

“Como não tinha viatura disponível, ela foi orientada a levar o animal para o CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres)”, disse, acrescentando que além de Campo Grande, o órgão atende Jaraguari, Ribas do Rio Pardo, Sidrolândia e Rochedo.

Ainda de acordo com o major, o procedimento agora é ir buscar a ave e empalhar, para servir como exemplo durante aulas para as crianças de educação ambiental. “Nós capturamos animal há 25 anos, mas não é só dever da Polícia Ambiental”, finaliza.

Yenny Caballeiro mostra que ave caiu de um coqueiro.
Yenny Caballeiro mostra que ave caiu de um coqueiro.
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário