ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Meio Ambiente

Problema de quase 30 anos, lixão fechou em 2012, em meio a confusão

Aline dos Santos | 29/12/2012 09:25
Lixão começou a ser formado em 1984. (Foto: Pedro Peralta)
Lixão começou a ser formado em 1984. (Foto: Pedro Peralta)

Não foi apenas pela imensidão de detritos que o lixão chamou a atenção em 2012. Os olhos começaram a se voltar para o lugar que recebe o lixo de todos ainda nos últimos dias de 2011. Um menino morreu soterrado na montanha de detritos. O fim de Maikon Correia de Andrade foi precoce: aos nove anos

Já o fim do lixão na saída para Sidrolandia foi anunciado em 18 de dezembro deste ano. O dia foi de confrontos. Os catadores reclamavam pelo fim do ganha-pão, mesmo ainda que advindo de um cenário em que homens são equiparáveis a bichos. Já a policia estava lá para cumprir a ordem da prefeitura de Campo Grande. Por duas vezes, houve conflitos. Os policiais usaram bombas de efeito moral e balas de borracha. Os catadores recorreram a paus e pedras. Houve preso e feridos.

A 130 pessoas, foi garantido o trabalho na usina de triagem do aterro sanitário, onde serão separados os materiais recicláveis. O local começa a funcionar de forma improvisada, com esteira e prensas emprestadas por uma empresa ao consórcio CG Solurb, que venceu licitação e vai receber R$ 1,3 bilhao pelos próximos 25 anos.

A licitação, aliás, levou vários segmentos - como associações, políticos e entidades - recorrerem a Justica. O certame foi lançado em maio e concluído cinco meses depois. A vencedora reúne a Financial, responsável pela coleta do lixo desde 2005, e a LD Construções Ltda. O consórcio tem a responsabilidade de implantar um crematório para animais de pequeno porte, coleta e tratamento do lixo hospitalar, coleta seletiva, recuperar o lixão.

Além da conclusão do aterro sanitário Dom Antônio Barbosa II e implantação do aterro sanitário “Erêguaçu”.

Fechamento teve conflito entre policiais e catadores. (Foto: Luciano Muta)
Fechamento teve conflito entre policiais e catadores. (Foto: Luciano Muta)

O judiciario também foi cenário do embate para proibir a ativação do aterro sanitário. Em novembro, a Justica Federal acatou pedido do MPF (Ministerio Publico Federal) e mandou paralisar as obras.

De acordo com a sentença, havia indícios de “súbita substituição das mantas de impermeabilização de 2 mm para 1,5 mm; adequação de licença ambiental ao contrato de modo irregular e indevido; realização de apenas 42% da obra, incompatível com a percentagem dos valores já repassados (80%); novo processo licitatório para a realização de obras no mesmo aterro sanitário; conclusão da Funasa (Fundação Nacional de Saúde) de que as obras não foram concluídas; falta de autorização para transposição de duto sob a rodovia do anel rodoviário.”

A prefeitura pediu reconsideração e juntou ao processo novo laudo, demonstrando a execução das obras que faltavam para dar a destinação correta aos resíduos sólidos. O aterro começou a funcionar em 28 de novembro.

Já o lixão, agora fechado, segue há 28 anos impressionando os olhos e pertubando o olfato de quem passa na saída para Sidrolandia.

Nos siga no Google Notícias