ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  18    CAMPO GRANDE 22º

Política

“Ouvi dizer que serei convidado”, afirma Pedro Chaves sobre assumir Educação

Senador afirma que se reunirá na semana que vem com Reinaldo Azambuja para discutir possibilidade de integrar o novo governo

Por Anahi Zurutuza e Marta Ferreira | 08/11/2018 14:53
Chaves confirmou reunião com Reinaldo para discutir possível ingresso na administração estadual. (Foto: Jane de Araújo/Agência Senado/Arquivo)
Chaves confirmou reunião com Reinaldo para discutir possível ingresso na administração estadual. (Foto: Jane de Araújo/Agência Senado/Arquivo)

O senador Pedro Chaves (PRB) confirmou ao Campo Grande News que deve se reunir na semana que vem com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), como parte das conversações para composição de seu staff do segundo mandato. Chaves, que desistiu da reeleição e deixará o Senado em fevereiro de 2019, afirma não ter recebido convite oficial até o momento, porém, admite ter ouvido nos meios políticos que está entre os cotados para a assumir a Secretaria de Estado de Educação.

Questionado se vai assumir a pasta, Chaves afirmou que “não é certo, não”, reforçando que não houve contato do governo nesse sentido. “Formalmente ainda não (houve convite). Já ouvi dizer que serei convidado. Na semana que vem vamos conversar”, afirmou, referindo-se à reunião com o governador.

Professor e fundador da Mace e do Cesup (a atual Uniderp), Pedro Chaves chegou ao Senado em 2014 na condição de primeiro suplente, com a cassação de Delcídio do Amaral (PTC). Neste ano, abdicou de disputar a reeleição depois de o PRB fechar aliança com o PDT de Odilon de Oliveira, apontando quebra de acordo para que houvesse apenas um nome disputando a vaga. Na sequência, anunciou apoio à reeleição de Reinaldo.

Montagem – Além de Chaves, outros nomes vem sendo ventilados para integrar o Parque dos Poderes no segundo mandato de Reinaldo Azambuja. O deputado federal Geraldo Resende (PSDB), por exemplo, também aguarda reunião com o governador para avaliar uma possível participação na administração estadual. Na quarta-feira (7), ele disse à reportagem ainda não ter definido a função que exerceria no Estado –seu nome já foi ventilado para a Secretaria de Estado de Saúde.

A decisão de Resende pode influenciar a suplência da deputada federal Tereza Cristina (DEM), confirmada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) como sua futura ministra da Agricultura. O deputado do PSDB teve mais de 60 mil votos –votação superior a de quatro eleitos–, mas ficou sem mandato por conta do quociente partidário (que distribui vagas aos partidos e coligações que, por sua vez, destinam as cadeiras conquistadas aos seus candidatos mais votados). Ele seria o suplente imediato de Tereza.

O deputado estadual eleito Coronel David (PSL) também teve o nome cotado para a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), porém, nega que houve conversas nesse sentido com Reinaldo. “Para mim (a indicação) é novidade. Não recebi convite e nunca conversei com o governador sobre isso”, afirmou. Caso seja chamado, porém, ele admite avaliar a possibilidade.