ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 25º

Política

Afogada em papéis, CPI das Contas não deve concluir investigação no prazo

Lidiane Kober e Juliana Brum | 29/06/2015 15:54
Presidente da CPI admite necessidade de esticar CPI por mais 30 dias (Foto: Divulgação/assessoria/Câmara)
Presidente da CPI admite necessidade de esticar CPI por mais 30 dias (Foto: Divulgação/assessoria/Câmara)

Afogada em mais de 200 mil cópias de documentos, a CPI das Contas Públicas, instalada na Câmara Municipal, completa 60 dias sem muitas conclusões e admite não terminar a investigação no prazo. O plano é pedir prorrogação e integrantes também falam em mutirão para dar conta do recado.

Instalada em 5 de maio, a comissão decidiu investigar três gestões, entre janeiro de 2011 e abril de 2015. A meta era ouvir gente de todas os governos, mas, até, agora, três gestores foram interrogados. É o casos dos secretários de Saúde, Jamal Salem; Administração, Wilson do Prado, que também foi ouvido pela pasta da Educação e o diretor-presidente da Funsat, Cícero Ávila.

Nesta segunda-feira (29), ocorre o depoimento do diretor-presidente da Funesp (Fundação Municipal de Esporte), José Eduardo Amancio da Mota, o Madrugada. Daqui uma semana, será a vez de ouvir a diretora-presidente do IMPCG (Instituto Municipal Previdência de Campo Grande), Lilliam Maria Maksoud Gonçalves.

A quase 30 dias do fim, os integrantes evitam falar sobre o que apuraram nas oitivas e na análise das mais de 200 mil cópias de documentos. “Não podemos antecipar nada antes de gerar a conclusão do relatório”, ponderou o presidente da CPI, vereador Eduardo Romero (PTdoB).

Relator da comissão, Airton Saraiva (DEM) nem começou o relatório. Ele espera ajuda de empresa de consultoria, que ainda nem sequer foi contratada.

Questionados sobre o desafio de fechar os trabalhos daqui a 30 dias, eles admitem precisar de mais tempo. A decisão é o caminho na opinião do presidente, do relator e do integrante, Paulo Pedra (PDT). Pelo regimento da Câmara Municipal, a prorrogação é possível por mais 30 dias.

Mesmo assim, Paulo Pedra vê a necessidade de “acelerar” os trabalhos. “Já propus e vou propor de novo para acelerar, para ter mais oitivas e mais reuniões por semana”, disse.

A CPI foi instalada com a missão de entender a crise financeira que a Prefeitura de Campo Grande passa. Neste sentido, foram solicitados balanços financeiros de todas as pastas no período de 2011 a abril deste ano.

Perdidos em meio a números e mais números, os vereadores decidiram contratar empresa especializada e composta por contadores e advogados. Até agora, no entanto, não fecharam contrato com ninguém.

Nos siga no Google Notícias