ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 32º

Política

Ala do PMDB mantém projeto de candidatura própria

Redação | 19/05/2010 14:47

O PMDB ainda poderá, pelo menos na teoria, ter candidato próprio para presidente da República. A convenção oficial está marcada para 12 de junho, obedecendo o calendário estipulado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Nem mesmo o lançamento do presidente nacional do partido, Michel Temer, como vice da candidata Dilma Rousseff (PT), unificou o PMDB em prol dela.

Em entrevista ao site Terra publicada nesta terça-feira, o senador Pedro Simon, presidente do PMDB no Rio Grande do Sul, disse que continuará defendendo a candidatura própria e considera sem validade a decisão da executiva.

"Nós no Rio Grande continuamos com a tese da candidatura própria (à presidência da República). A decisão da executiva não teve nenhum significado. Foi uma decisão política para badalar o nome do Temer. A executiva tem é que presidir o partido, não cabe a ela fazer essa indicação", afirmou.

Mas de acordo com a reportagem, o ex-governador do Paraná, Roberto Requião, nome que eles apoiam para ser o candidato do partido à presidência, já sofre reclamação dos gaúchos porque já se colocou como candidato ao Senado.

Para eles, o ex-governador poderia fazer movimentos mais concretos em direção a uma candidatura nacional.

Em Mato Grosso do Sul, o governador André Puccinelli oficialmente ainda não decidiu entre Dilma e José Serra (PSDB), mas demonstra inclinação em apoiar o segundo nome. Em outros três estados, o PMDB também pode apoiar Serra.

No início do ano, Puccinelli chegou a declarar que não acreditava muito na candidatura de Requião, mas que ele daria todo o apoio ao candidato se ele realmente optasse pela candidatura.

Ontem, em visita a Campo Grande, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), contou que o partido fez consulta uma consulta ao TSE sobre fidelidade partidária, questionando que tipo de postura pode ser cobrada de estados que não seguirem a coligação nacional.

Nos siga no Google Notícias