ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 17º

Política

Até mesmo vereadores da base de Bernal podem votar pela cassação

Aline dos Santos | 25/12/2013 11:51

Em busca de aliados para garantir 10 votos e se livrar de ser cassado amanhã pela Câmara Municipal de Campo Grande, o prefeito Alcides Bernal (PP) pode sofrer baixa no grupo de oito vereadores que o apoiaram contra a instalação da Comissão Processante, trabalho que antecedeu o parecer pela perda do mandato. “O meu voto e o do João Rocha não são seguros”, afirma o vereador Carlos Augusto Borges (PSB), o Carlão. O parlamentar é o único aliado que Bernal havia conseguido “fisgar” da oposição.

“Desde aquele dia, o prefeito não me ligou para dar bom dia, não me trata nem como vereador. Não ligou nem para falar Feliz Natal”, diz o vereador, reclamando do desprestígio do prefeito em relação ao “neoaliado”.

Carlão relata que soube, por terceiros, que o PSB poderia indicar o titular da Secretaria da Juventude. “O prefeito nunca chamou o PSB para conversar”, afirma o parlamentar. A pasta está vaga desde junho deste ano, quando foi criada.

O vereador acredita que a postura do prefeito é mágoa pelo apoio do PSB a Edson Giroto (PMDB), que disputou a eleição com Bernal. “Tem que largar a mão de mágoa, mas Deus dá sabedoria”, diz. O vereador passou o Natal em Pedro Gomes, a 309 km de Campo Grande, e retorna ainda hoje para a Capital. A tempo de ler o relatório de 104 páginas da Comissão Processante e participar, caso convidado, de uma reunião dos aliados do prefeito Alcides Bernal.

Segundo o parlamentar, o voto a favor de Bernal só deve ocorrer se o relatório da Processante for igual ao relatório da CPI do Calote, que serviu de subsídio. “Pode ser 70% igual, mas 100% não dá”, avalia. Amanhã, a partir das 8h, a capital de Mato Grosso do Sul assiste, em 114 anos de história, a primeira sessão que pode levar a perda de mandato do chefe do Poder Executivo.

Para a Comissão Processante, o prefeito fez contratos fora dos procedimentos normais de licitação, criando uma “emergência fictícia, ilusória ou fabricada”.

A comissão que pode levar a perda do mandato do prefeito foi instaurada em 15 de outubro, com placar de 21 votos a oito. Votaram a favor de Bernal os seguintes vereadores: Zeca do PT; Marcos Alex (PT); Ayrton Araujo (PT); Derly dos Reis de Oliveira, o Cazuza (PP); João Rocha (PSDB), Luisa Ribeiro (PPS), Carlão (PSB) e Gilmar da Cruz (PRB).

Nos siga no Google Notícias