A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

19/09/2013 11:00

Bernal forçou rescisões e criou "cenário para contratos emergenciais"

Edivaldo Bitencourt e Leonardo Rocha
Elizeu Dionísio aponta várias irregularidades cometidas por Bernal (Foto: Cleber Gellio)Elizeu Dionísio aponta várias irregularidades cometidas por Bernal (Foto: Cleber Gellio)

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), deu calote nos fornecedores e prestadores de serviço, forçou rescisões de contratos e fabricou um cenário para a realização de contratos emergenciais. Ele também é acusado de contratar empresas sem condições de participar das licitações. Essas são as primeiras conclusões apresentadas pelo relator da CPI do Calote, vereador Elizeu Dionísio (PSL), na manhã desta quinta-feira (19), no plenarinho da Câmara Municipal.

O relator iniciou o relatório apontando que o prefeito deixou de pagar fornecedores e prestadores de serviço sem qualquer justificava legal. Em alguns casos, os empresários receberam os pagamentos, mas não houve justificativa legal para o atraso.

“Algumas empresas foram obrigadas a fazer rescisões ‘amigáveis’”, afirmou o relator. Outras acabaram paralisando as atividades e demitindo os trabalhadores, como foi o caso da RDM Recuperação de Créditos, que fechou 85 postos de trabalho, mas não foi citada nominalmente por Dionísio.

Ele disse que houve “uma fabricação de cenários emergenciais” para a contratação de forma “inadequada” de várias empresas. Ele citou como exemplo, uma empresa que não tinha condições de participar das licitações nem alvará da Vigilância Sanitária, mas acabou ganhando o contrato emergencial. Neste caso, é a Salute Distribuidora de Alimentos, que levou contrato de R$ 4,3 milhões, mas não teve licença sanitária para operar, apesar de fornecer alimentos para creches e escolas da rede municipal.

“Houve contratação direta sem prévia justificativa”, disse o relator.

“Não houve pela Central de Compras o cuidado nos pregões presenciais, o que permitiu que empresas sem condições de vencer as licitações fossem contratadas de forma emergencial”, denunciou.

“O objetivo era chegar ao fim sem se preocupar com a forma”, concluiu, sobre os métodos para contratar as empresas como Salute e MegaServ. Esta última levou o contrato de R$ 4,4 milhões para realizar a limpeza nos postos de saúde.
“Faltou planejamento e houve má gestão”, concluiu. Ele disse que faltou planejamento da prefeitura e houve má gestão desde o início do mandato de Bernal. E frisou que houve “culpa ou dolo” nos contratos emergenciais firmados pelo prefeito.

O relatório começou a ser lido na manhã de hoje e a leitura pode ser concluída somente no período da tarde.



FORA BERNAL!!!!
 
Ricardo Sadyama em 19/09/2013 13:55:10
Sei q foi feito muita coisa errada, mas o combate à dengue com certeza não foi uma delas. Quem diz que não viu a epidemia, com certeza não pôs os pés nas unidades 24h durante a epidemia, pois aí sim teria visto centenas de pessoas com dengue, a cada dia aumentando mais... e só não morreu mais gente porque os gestores não mediram esforços e as ações de combate foram tomadas à tempo...o que é errado é errado, mas o que é certo é certo...
 
Neusa Rodrigues em 19/09/2013 13:43:35
Tem certeza que esse cidadão Carlos Henrique mora em Campo Grande??????? Nós, trabalhadores da saúde exigimos respeito com o nosso trabalho. Trabalhamos iguais uns condenados para que não morressem pessoas e vem uma criatura dessa falar isso???? Se ninguém da família dele teve dengue, amém, mas não tem direito de duvidar dos outros.
 
maria raquel em 19/09/2013 13:24:52
Só espero que isto não fique no famoso " disse me disse' e realmente os vereadores façam algo de concreto, porque está na cara que tem coisa muito errada e se eles que estão ali para representar e defender os direitos do povo de Campo grande vamos ficar refém de uma pessoa como o prefeito Bernal, que infelizmente conseguiu enganar e ainda engana boa parte da população.
 
Eloisa Fernandes em 19/09/2013 12:53:25
Então tirem logo esse homem da prefeitura, porque ele realmente não fez nada de bom pela cidade até agora. No início parecia implicância dos vereadores, mas nem aquilo que ele poderia fazer sem depender dos vereadores ele fez. E já perdeu o apoio de boa parte da população. A cidade precisa andar, e está estagnada desde que esse homem foi eleito.
 
rafael santos em 19/09/2013 12:42:42
Isso ainda vai acabar em pizza pra variar.
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 19/09/2013 12:28:08
quero ver se vão falar do negócio da dengue...aquilo foi uma coisa de louco, porque não conheci uma única pessoa com dengue e a prefeitura fazia um barulho enorme.gastaram uma dinheirama lascada, numa situação muito mal explicada.
 
Carlos Henrique em 19/09/2013 12:11:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions