A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

07/08/2010 09:59

Campanha ainda é feita por voluntários

Redação

Mesmo com um mês de campanha liberada, a contratação de cabos eleitorais ainda segue lenta em Mato Grosso do Sul. Na prática, a campanha tem sido feita por militantes e "voluntários".

A coligação "Amor, Trabalho e Fé", encabeçada pelo governador André Puccinelli (PMDB), contratou apenas 100 cabos eleitorais até agora. Eles estão atuando só em Campo Grande e recebem 1 salário mínimo por mês (R$ 510).

Segundo o coordenador geral da campanha peemedebista, Osmar Jerônymo, outras pessoas devem ser contratadas ainda este mês para fazer o mesmo trabalho em Dourados, segundo maior colégio eleitoral de Mato Grosso do Sul.

"As pesquisas são nossa referência, vamos contratando conforme a necessidade", explicou.

Por enquanto, as bandeiras estão sendo agitadas, na maioria das vezes, por voluntários do partido.

A secretária de Administração do Estado, Thie Higuchi Viégas dos Santos, levou um grupo de amigos e colaboradores para o cruzamento da avenida Afonso Pena com a Via Parque.

"Quando temos um ideal, um objetivo, temos que ajudar. Temos essa rede de parceiros e sempre que tem campanha vamos às ruas, conforme a disponibilidade de cada um", detalhou.

O servidor aposentado Dezinarde Fernandes, de 57 anos, disse que faz o trabalho voluntário aos fins de semana por acreditar nas propostas do candidato peemedebista. "O André pode se candidatar a qualquer coisa, que eu ajudo", disse.

Outra voluntária é a cabeleireira Marisa de Sá, moradora do Novos Estados. "Quero que o André continue", justificou.

No lado petista, a situação é parecida. O início da campanha foi feito por militantes do partido. Agora, eles são priorizados na hora das contratações, explica a coordenadora da campanha na região central de Campo Grande, Maria Rosana.

No caso dos candidatos proporcionais, quem disputa as eleições para deputado federal ajuda com recursos o candidato a estadual.

Cada cabo eleitoral que trabalha para o PT recebe R$ 600 por mês. As contratações começaram a ser feitas há pouco tempo, nos primeiros dias de agosto.

Olga Maria, moradora do Jardim Indianápolis, é filiada ao PT há 12 anos. Começou a fazer a campanha como voluntária e agora será remunerada pelo partido.

Já o taxista Cizino Celestino, de 65 anos, se diz um apaixonado pelo PT, onde está filiado há 33 anos. Diz que para o partido, faz campanha até de graça.

"Assim que eu fiquei sabendo que o Zeca ia ser candidato ao governo, larguei o táxi e fui fazer campanha. Comprei uma pampa, adesivei e estou pedindo votos com ela. Não pedi nada até agora para o partido, nem gasolina, se tiver remuneração eu estou nessa, mas não vou cobrar. Faço campanha até de graça", afirmou.

A campanha petista, segundo Maria Rosana, está dividida por regiões em Campo Grande.

No centro da Capital, os partidos e coligações se revezam para o ocupar o lugar de maior destaque: o cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua 14 de Julho.

Para fazer bandeiradas, carreatas e adesivagens em outros pontos, incluindo os bairros de Campo Grande, é necessário avisar a Justiça Eleitoral.

Gastos

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions