A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

25/03/2014 17:15

Campo Grande começa a recuperar R$ 20,5 milhões retidos no Rural

Josemil Arruda

A Prefeitura de Campo Grande já conseguiu recuperar R$ 4 milhões dos R$ 20,5 milhões que estavam depositados em aplicações financeiras no Banco Rural, sob intervenção do Banco Central desde o ano passado. A maior parte do dinheiro, R$ 12 milhões, era conta de Fundo de Investimento da prefeitura, enquanto os outros R$ 8,5 milhões decorreram de CDB (Certificado de Depósito Bancário) depositados por empresas contratadas pelo Município referentes a cauções que ficaram indisponíveis com a liquidação da instituição bancária.

No balanço patrimonial da Prefeitura de Campo Grande, divulgado hoje, o montante de R$ 8.558.003,02 referentes à aplicação de caução no Banco Rural, que em 6 de agosto do ano passado entrou em liquidação extraordinária, foi considerado provisão para perdas e aplicações. Nos contratos com fornecedores de mercadorias e serviços, a Prefeitura de Campo Grande utiliza o sistema de caução para garantir a adimplência. Se a empresa não cumpre as cláusulas do contrato e é, por exemplo, punida com multa, o Município pode valer-se do valor depositado como calção para pagar-se.

O secretário-adjunto de Planejamento, Finanças e Controle, Ivan Jorge, explicou nesta terça-feira (25) que a aplicação de R$ 12 milhões em Fundo de Investimento está sendo devolvida parceladamente, mês a mês, com devida correção monetária e juros. “E a devolução deve zerar até o final do ano”, prevê o técnico. Indagado sobre o motivo de não haver devolução em cota única, Ivan respondeu: “O banco está sob intervenção, então é tudo feito com muito cuidado. Estão separando o joio do trigo”.

Quanto aos R$ 8,5 milhões em CDB, segundo Ivan Jorge, já foram tomadas medidas judiciais pela Procuradoria-Geral do Município a fim de recuperar o dinheiro. O secretário-adjunto esclarece que como no caso de CDB, em caso de intervenção, há o bloqueio se tratar de aplicação feita em nome do banco, com seu CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica), o que não acontece no caso de Fundo de Investimento.

Sobre a contabilização dos R$ 8,5 milhões na conta Provisão para Perdas e Aplicações, Ivan Jorge disse que decorre da incerteza do numerário. – “É uma conta da contabilidade em que fica o valor enquanto estiver em negociação. Pode não ser perda, mas redundar em aplicação”, afirmou o secretário-adjunto. Questionado se a chance maior é de perda, Ivan declarou: “Eu acredito que por ser setor público há boa chance de recuperar”.

Embora o montante seja pequeno diante do Orçamento do Município, de R$ 2,9 bilhões, o valor que tinha sido retido no Banco Rural equivale a despesa anual de várias secretarias municipais, como a própria Secretaria Municipal de Planejamento e Finanças (R$ 7,694 milhões) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (R$ 2,516 milhões).

Temer diz que adiamento da reforma da Previdência foi 'ótimo' para ganhar votos
O presidente Michel Temer procurou mostrar otimismo ao falar sobre a reforma da Previdência ao dar posse ao deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS) c...
Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions