A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

11/11/2014 08:21

Com Olarte e vereadores em "clima de guerra", protestos agitam Câmara

Kleber Clajus
Reajustes voltam a pauta na sessão de amanhã da Câmara Municipal (Foto: Kleber Clajus / Arquivo)Reajustes voltam a pauta na sessão de amanhã da Câmara Municipal (Foto: Kleber Clajus / Arquivo)

Greve de professores por reajuste, aumento na tarifa de ônibus e do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) ampliam crise no relacionamento entre o prefeito da Capital, Gilmar Olarte (PP), e os vereadores. Na justificativa para as medidas impopulares estão a falta de dinheiro, necessidade de correção e recuperação de receita do município.

Hoje (11), o dia será de protestos no Legislativo para pressionar os vereadores quanto ao reajuste, contra o aumento da tarifa de ônibus e pela permanência de R$ 5 milhões na Fundac (Fundação Municipal de Cultura), que podem ser remanejados de projetos para construção do prédio próprio do órgão e complexo cultural na Rotunda para outra finalidade.

O líder do prefeito, Edil Albuquerque (PMDB), explica que o momento é de “intranquilidade”, uma vez que outros fatores como déficit em receitas e repasses do ICMS contribuíram para o agravamento de crise financeira que impede hoje o pagamento de reajuste, previsto em lei, de 8,46% aos professores.

Dentre as alternativas para superar o caso, estão projeto de lei que divide o reajuste para pagamento em março e outubro de 2015 ou aplicação de 1% ao mês até o limite previsto. Na categoria, o consenso é pela continuidade da greve iniciada na quinta-feira (6), enquanto no Legislativo uma nova lei enfrentará resistência por ser, conforme Eduardo Romero (PT do B), “ inaceitável penalizar as pessoas pelos direitos adquiridos”.

Aumentar a tarifa de transporte coletivo de R$ 2,70 para R$ 2,99 será outro desafio para o progressista. Isso porque o reajuste de 10,74%, conforme os parlamentares, não foi acompanhado de melhoria na qualidade do serviço prestado.

A oposição, e mesmo integrantes da base aliada, já solicitaram a Agereg (Agência de Regulação dos Serviços Públicos Delegados) planilha de cálculo para avaliar alternativas ao valor. “Tenho dó do prefeito, mas tenho que pensar nos trabalhadores e precisamos de coerência para tratar dessa coisas”, comenta Ayrton Araújo (PT).

Já em relação ao IPTU, até mesmo o líder do prefeito defende índice menor que os 18% propostos pelo Executivo. Entre os demais vereadores, no entanto, a média varia entre 6,6% até 12%.

“É preciso fazer de maneira gradativa a reposição, acompanhada de contenção [de gastos]. Estamos sendo muito claros sobre isso com o prefeito e buscamos o equilíbrio entre o índice técnico e o aceitável sem fazer politicagem que possa prejudicar os cofres da Prefeitura”, complementa o presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar (PMDB).

Todos os três pontos de divergência terão ainda desdobramentos nesta semana, uma vez que podem ser votados na sessão desta terça-feira (11) no Legislativo.

Tarifa de ônibus sobe 10,74% e valerá R$ 2,99 a partir de quarta-feira
A Prefeitura Municipal de Campo Grande informou na noite desta sexta-feira (7) que  partir da próxima quarta-feira (12) a tarifa do transporte coleti...
Câmara se rebela contra tarifaço no IPTU proposto por Olarte
Revista – O MPF (Ministério Público Federal) adotou uma revista rigorosa para quem foi participar da audiência pública sobre a vinhaça, que reuniu es...



Pela primeira vez, vejo os vereadores lutando pelos interesses da população. Que continuem assim.
 
Joao em 11/11/2014 09:17:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions