ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  26    CAMPO GRANDE 27º

Política

Com relatório de Simone, Senado aprova projeto que reduz burocracia

Proposta, que segue para análise do presidente Michel Temer, dispensa procedimentos como reconhecimento de firma e cópia em processos junto à administração pública

Por Humberto Marques | 05/09/2018 14:49
Simone lembrou apontamentos do Banco Mundial de que burocracia é mais cara para o país do que a cobrança de impostos. (Foto: Divulgação/Assessoria)
Simone lembrou apontamentos do Banco Mundial de que burocracia é mais cara para o país do que a cobrança de impostos. (Foto: Divulgação/Assessoria)

Foi aprovado nesta quarta-feira (5) no Senado, com relatoria em plenário da senadora Simone Tebet (MDB), projeto de lei que visa a reduzir a burocracia nos processos administrativos da União, Estados e municípios. Entre as medidas previstas no texto estão a dispensa de reconhecimento de firma e de cópia autenticada de documentos nos processos, o que permitirá, por exemplo, acelerar os procedimentos, facilitar abertura de empresas e reduzir custos. O texto seguiu para sanção presidencial.

Simone destacou que o servidor público tem fé pública e, por isso, pode verificar a veracidade de documentos ao comparar cópias com o original. “Isso não só vai facilitar a vida do cidadão, mas evitar que ele gaste dinheiro e tempo com cópia autenticada”, explicou a senadora. A dispensa de apresentação da certidão de nascimento, que poderá ser substituída por outros documentos, ou título de eleitor –que passa a ser exigido apenas para votar e registrar candidatura– também integram o texto elaborado pelo senador Armando Monteiro (PTB-PE).

“O Banco Mundial disse que o custo com o tempo perdido devido a burocracia no Brasil é mais caro do que a cobrança de impostos. Isso faz com que o Brasil, que poderia ser um grande mercado para atrair investimentos, fique na lanterna do mundo e deixe de receber empresas e indústrias que gerariam empregos para a população. Então, a burocracia é um câncer, precisa ser extirpada das relações que envolvem o poder público e o cidadão”, argumentou Simone.

Se convertida em lei –o texto seguiu para sanção do presidente Michel Temer–, a matéria também proibirá órgãos ou entidades públicas de solicitar documentos emitidos por outro órgão do mesmo poder, algo que também permitirá reduzir a burocracia e custos.

Monteiro destacou que sua intenção com o projeto era “desembaraçar o cidadão de todo esse cipoal de exigências e certidões. O Brasil precisa simplificar a vida das pessoas. É algo que não tem nenhum custo fiscal, ao contrário, representa uma redução de custos ao cidadão”.

Regras de comentário