A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

18/11/2015 20:45

Congresso mantém veto de Dilma a doações de empresas a campanhas

Agência Câmara
Em sessão conjunta, senadores e deputados mantiveram veto (Foto:Divulgação)Em sessão conjunta, senadores e deputados mantiveram veto (Foto:Divulgação)

O Congresso manteve nesta quarta-feira (18) o vetoda presidente Dilma Rousseff à permissão para o financiamento empresarial de campanhas eleitorais. Dessa forma, prevalece o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal) de que as doações privadas são inconstitucionais.

Como o veto foi mantido na votação feita pela Câmara, o Senado não precisou votar a medida. Foram 220 votos pela derrubada do veto contra 190 pela sua manutenção e cinco abstenções. Para que um veto seja derrubado, são necessários 257 votos.

O financiamento privado de campanha já foi rejeitado pelos três Poderes da República, mas parlamentares ainda tentavam retomar a possibilidade de que empresas façam doações para partidos e candidatos.
Em setembro, Dilma vetou a medida ao sancionar o projeto de lei de reforma política aprovada pela Câmara dos Deputados sob o argumento de que a questão confrontaria a igualdade política e os princípios republicanos e democráticos. Ela também vetou a previsão de que as urnas eletrônicas imprimam o voto do eleitor, o que criaria um custo adicional de R$ 1,8 bilhão à Justiça Eleitoral. Esse veto ainda será analisado pelos parlamentares.

Semanas antes da decisão da petista, o STF (Supremo Tribunal Federal) havia decidido que o financiamento privado é inconstitucional. A decisão tem potencial impacto nas disputas eleitorais, uma vez que as empresas são os maiores doadores de políticos e partidos, e já terá validade a partir das eleições municipais de 2016. O Senado também já havia rejeitado a questão ao votar um pacote de propostas eleitorais.

Durante a discussão da matéria, parlamentares contrários à volta do financiamento argumentaram que se o veto caísse, a questão "fatalmente" voltaria a ser discutida pelo STF. O deputado Sílvio Costa (PSC-PE), um dos vice-líderes do governo na Câmara, fez um apelo aos colegas para que o veto fosse mantido e que a questão pudesse ser novamente discutida por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição.

Já o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ) afirmou ver com perplexidade a indicação partidária das siglas que defenderam a sua derrubada mesmo após tantas manifestações institucionais contrárias à medida. Indicaram pela derrubada do veto o PSDB, PMDB, DEM, Solidariedade, Pros, PP, PTB, PSC, PR, PSD, PEN e PRB.

Para o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), o financiamento público de campanha acabará por tirar recursos de áreas essenciais como a Saúde e Educação. "Nós preferimos que o financiamento privado venha com a fiscalização necessária", disse.

Presidente Michel Temer deve ter alta na manhã desta sexta-feira
O presidente Michel Temer deverá ter alta hospitalar na manhã desta sexta-feira (15), informou o médico Roberto Kalil Filho, que coordena os cuidados...
Interrogatório de Lula na Operação Zelotes é marcado para fevereiro de 2018
A Justiça Federal em Brasília marcou para o dia 20 de fevereiro de 2018 os interrogatórios do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu filho ...
Senado aprova desconto de dívidas de produtores rurais e texto segue para sanção
O Senado concluiu a votação, nesta quinta-feira (14), do projeto que permite a renegociação das dívidas de produtores rurais, estabelecendo descontos...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions