ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 19º

Política

Delegado da PF aciona a Justiça contra Loester Trutis por danos morais

Acusado de montar o próprio atentado, deputado atacou o policial, a quem chamou de "vagabundo" e "corrupto"

Por MS em Brasília | 30/03/2022 08:55
Deputado FederalLoester Trutis tem atacado a honra do delegado de forma sistêmica. (Foto: Divulgação)
Deputado FederalLoester Trutis tem atacado a honra do delegado de forma sistêmica. (Foto: Divulgação)

O delegado da Polícia Federal Glauber Fonseca de Carvalho Araújo acionou, semana passada, a 16ª Vara Cível de Campo Grande contra o deputado federal Loester Carlos Gomes de Souza, o Trutis (PL), pelas acusações e ofensas que tem sofrido desde a divulgação do resultado das investigações sobre o falso atentado. O policial pede a condenação do parlamentar por danos morais.

Carvalho Araújo foi responsável pelas investigações sobre o suposto atentado sofrido pelo parlamentar em 16 de fevereiro de 2020. Trutis viajava de Campo Grande para Sidrolândia na companhia do seu chefe de gabinete, Ciro Nogueira Fidélis. O carro em que estavam foi atingido por vários disparos de arma de fogo.

Após oito meses de apuração, a PF concluiu que a tentativa de assassinato foi armada pelo próprio deputado com ajuda do assessor. Ambos respondem a processo no Supremo Tribunal Federal por falsa comunicação de crime, disparo de arma de fogo e porte ilegal de arma.

Ao inquérito, foram anexadas dezenas de provas sobre o falso atentado. Além de diversos laudos periciais, como a análise minuciosa de imagens de câmeras no trajeto feito pelo deputado — do momento em que deixou sua casa até o trecho da rodovia onde teria ocorrido a emboscada.

Delegado da PF Glauber Fonseca investigou falso atentado. (Foto: CBN/Campo Grande)
Delegado da PF Glauber Fonseca investigou falso atentado. (Foto: CBN/Campo Grande)

Também foram colhidos dados e informações do GPS do veículo utilizado por Trutis, como a saída do carro para uma estrada vicinal, onde os disparos foram feitos, bem como a falta de marcas de frenagens na estrada. O trecho por onde o deputado teria passado foi analisado com base em imagens de câmeras de segurança fornecidas por empresas instaladas às margens da rodovia e por órgãos públicos de fiscalização.

Constam ainda laudos dando conta da impossibilidade de o parlamentar ter saído ileso do ataque, uma vez que o carro foi atingido por vários disparos, além de Trutis relatar que trocou tiros com os supostos criminosos.

Perícia constatou que seria impossível deputado sair ileso do suposto atentado. (Foto: Reprodução)
Perícia constatou que seria impossível deputado sair ileso do suposto atentado. (Foto: Reprodução)

A PF também reuniu provas sobre a falta de interesse de ambos os acusados de ajudarem no trabalho de investigação. Em uma delas, o assessor Ciro Fidélis entregou o celular aos investigadores, com dados de acesso, mas alterou a senha assim que deixou as instalações da PF.

“Safado” e “vagabundo” – No pedido de danos morais, o delegado Glauber Fonseca cita uma série de notícias e postagens nas redes sociais de Loester Trutis com acusações pessoais contra ele. Inclusive matérias publicadas pelo MS em Brasília, entre elas a que denunciou o deputado pelo uso de site criado por ele para atacar a Instituição Polícia Federal e o delegado responsável pelo caso.

Os ataques de Trutis começaram depois da Operação Tracker, deflagrada pela Polícia Federal em 12 de novembro de 2020, contra o parlamentar, assessores e irmãos dele. Na ação, foram apreendidos armas, munições e dinheiro. O parlamentar chegou a ser levado para a Superintendência da Polícia Federal em Campo Grande, mas foi liberado por decisão da ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal.

“O Sr. Loester Trutis passou a atacar, direta e claramente, a pessoa do Delegado de Polícia Federal, o que pode ser constatado em reportagem publicada, em 18 de julho de 2020, no site G1”, descreve a defesa, citando trechos da reportagem em que Trutis diz que o delegado não tinha interesse no esclarecimento do caso, “com investigação cheia de erros grosseiros, o que leva a acreditar que o profissional tinha interesse em proteger o verdadeiro culpado”.

Matéria do MS em Brasília sobre o site em nome da cunhada do deputado. (Imagem: Reprodução)
Matéria do MS em Brasília sobre o site em nome da cunhada do deputado. (Imagem: Reprodução)

A defesa segue citando as acusações diretas ao delegado. No Facebook, no “Diário de bordo”, de 18 de junho de 2021, Trutis chama Carvalho Araújo de “safado” e “fruta podre”:

“Tentativa do delegado militante, safado, da Polícia Federal do Mato Grosso do Sul. Pessoal, nada contra a Polícia Federal, tem serviços prestados excelentes ao nosso país, mas como toda instituição possui suas frutas podres. Esse delegado safado já está com promessa de ir pra Brasília. O cara nunca prendeu nem o pinto no zíper lá em Ponta Porã…”


Em live, deputado chamou o delegado de 'vagabundo', 'pau no c*', 'corrupto' e 'idiota'."


No pedido de liminar, a defesa cita ainda live denominada “A verdade sobre o atentado”, trasmitida pelo Facebook em 26 de novembro de 2021, no perfil “Blog do Alípio Neto”, com alcance 3,8 mil visualizações. Nesse dia, Trutis atacou duramente o delegado, a quem chamou de “vagabundo”, “pau no c*”, “idiota”, “corrupto” e que “destruiu provas de um atentado”.

O delegado pede, liminarmente, que as acusações publicadas contra ele nas redes sociais do deputado, entre 10 e 24 de fevereiro, sejam excluídas no prazo de 24 horas, contadas a partir do momento em que o réu tomar conhecido da decisão, sob pena de multa diária de R$ 15.000. Pede ainda que o deputado Loester Trutis seja condenado ao pagamento de R$ 20.000 por danos morais, acrescidos de juros.

O deputado federal Loester Trutis foi procurado para comentar sobre a medida judicial tomada pelo delegado, mas não respondeu aos questionamentos encaminhados ontem (29), às 20h17, quando ele estava online em seu aplicativo de conversa.

Nos siga no Google Notícias