ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JULHO, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 22º

Política

Delegado Wellington entra na disputa por vaga na Câmara

Ex-vereador ingressou como terceiro interessado no mandado de segurança protocolado pelo 8° suplente

Por Fernanda Palheta | 16/05/2024 18:05
Wellington de Oliveira (PSDB) no plenário da Câmara quando era vereador de Campo Grande (Foto: Câmara Municipal/ Divulgação)
Wellington de Oliveira (PSDB) no plenário da Câmara quando era vereador de Campo Grande (Foto: Câmara Municipal/ Divulgação)

O 5° suplente da vaga deixada por Cláudio Jordão de Almeida Serra Filho (PSDB), Wellington de Oliveira, o delegado Wellington (PSDB), ingressou nesta quinta-feira (16) como terceiro interessado no mandado de segurança protocolado pelo 8° suplente, Gian Sandim (PSDB), que alega que a cadeira é do partido tucano.

O delegado explica o objetivo é sinalizar ao juiz que, se a vaga pertence ao partido, ele está na frente na linha de sucessão. "Mantenho a minha posição de que temos que respeitar o voto dos eleitores". Ele defende que a cadeira é do ex-colega de partido, Lívio Leite, que mudou para o União Brasil durante a janela partidária.

Caso a Justiça Eleitoral entenda que a vaga é do PSDB, ele lembra que é o suplente com maior número de votos ainda filiado no partido. "Politicamente falando eu tenho um compromisso com o eleitor e por esse compromisso eu tenho que assumir", afirma.

Para cumprir o mandato tampão, o delegado explicou que conciliaria o trabalho na Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, como já fez anteriormente. O ex-vereador reforça que ainda é preciso aguardar a decisão da justiça.

O Campo Grande News questionou o presidente municipal do PSDB, Beto Pereira, se o partido iria requerer a cadeira, mas até a publicação desta reportagem não obteve retorno.

Vaga aberta - Com a judicialização da briga, a vaga segue aberta. Inicialmente, Lívio Leite havia sido convocado, mesmo tendo migrado para o União Brasil. Porém, a Justiça Eleitoral aceitou parcialmente o mandado de segurança imposto pelo suplente ao cargo de vereador, Gian Sandim (PSDB), que suspendeu a posse de Lívio, anteriormente marcada para esta quinta-feira (16).

O próximo da lista é Junior Longo, que migrou do ninho tucano para o Republicanos. Delegado Wellington é o quinto suplente. A lista segue com Antônio Cruz e Cida Amaral, que saíram do PSDB e foram para o MDB e Republicanos, respectivamente.

Prisão e atestados - Claudinho Serra foi preso em 3 de abril, na 3ª fase da Operação Tromper, acusado de ser o mentor de um grupo que desviava recursos da Prefeitura de Sidrolândia, quando atuou como secretário de Fazenda na gestão sogra e atual da prefeita Vanda Camilo (PP).

Faltando apenas três sessões para perder o mandato de vereador Claudinho Serra pediu afastamento por um mês, que conta desde o dia 30 de abril. Ele apresentou atestado médico por estar "psicologicamente abalado". Preso por 23 dias, o vereador contou que viu um homem morrer no presídio, o que o deixou transtornado, por isso, a necessidade de tratamento.

Nesta terça-feira, o vereador Claudinho Serra protocolou um novo pedido de afastamento para tratar de interesse particular, que foi autorizada pela Câmara Municipal, sendo válida por 120 dias.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias