ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  28    CAMPO GRANDE 27º

Política

Deputado descarrega revólver para defender projeto e "advertir o comunismo"

“Não pode fazer isso, houve exagero”, advertiu o presidente da Assembleia, Paulo Correa

Por Jhefferson Gamarra | 17/05/2022 10:45


Em sessão ordinária virtual realizada nesta terça-feira (17), o deputado estadual João Henrique Catan (PL) descarregou revólver em um estande de tiros ao defender projeto de sua autoria que estava em pauta. Segundo o parlamentar, os tiros foram “de advertência ao comunismo”, uma vez que no alvo acertado, estava desenhado o símbolo comunista, representado pela foice e martelo.

O projeto de lei em questão é o de número 417/2021, que dispõe sobre o reconhecimento do risco da atividade de atirador desportivo em Mato Grosso do Sul. “Um povo armado jamais será escravizado. Esse projeto é um tiro de advertência no comunismo e na mão leve que assaltou o País, então uma salva de tiros”, declarou o autor do projeto, que em seguida, disparou pelo menos 3 tiros ao vivo enquanto acontecia a sessão parlamentar.

Na sequência dos disparos, o presidente da Assembleia, deputado Paulo Corrêa (PSDB), reprovou a conduta do parlamentar. “Não pode fazer isso, houve exagero”, disse.

Revoltado, o deputado Paulo Duarte (PSB) classificou a atitude do colega de parlamento como uma incitação à violência. “Esse parlamento é democrático, a gente vota sim e vota não, isso tem que ser respeitado”, disse Duarte. “O que vimos aqui é incitar a violência e isso desnecessariamente. Qual é a lógica de fazer isso? Meu repúdio a esse tipo de voto e ninguém vai me intimidar aqui”, acrescentou.

Também contrariando a atitude, o deputado petista Pedro Kemp exigiu que o parlamentar pedisse desculpas ao parlamento pelo “teatro” feito no momento da votação. “Não tenho menor interesse em facilitar o uso de armas e acho que o deputado João Henrique deveria pedir desculpas por ter feito da sessão da Assembleia um teatrinho para se aparecer”, afirmou.

Ao final da votação, o projeto foi aprovado com 16 votos favoráveis e 3 contrários.

Nos siga no Google Notícias