ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 26º

Política

Deputados aprovam proibição de animais em testes de produtos de limpeza

Proposta do deputado estadual Evander Vendramini (PP), restringe pesquisas com bichos no Estado

Por Gabriela Couto | 22/06/2022 11:38
Sessão ordinária desta quarta-feira ocorreu de maneira híbrida. (Foto: Luciana Nassar)
Sessão ordinária desta quarta-feira ocorreu de maneira híbrida. (Foto: Luciana Nassar)

Por unanimidade, os deputados estaduais aprovaram na sessão desta quarta-feira (22) em primeira votação, projeto de lei que inclui na proibição da utilização de animais para desenvolvimento, experimento e teste de produtos cosméticos, de higiene pessoal, e perfumes, os produtos de limpeza e seus componentes.

O texto em vigor no Estado prevê punição com multas e sanções para empresas e profissionais que foram flagrados cometendo a ilegalidade. Para a instituição a multa é de 10 mil UFERMS (Unidades Fiscais do Estado de Mato Grosso do Sul) por animal usado. Já para profissional o valor é de 2 mil UFERMS. O texto de autoria do deputado estadual Evander Vendramini (PP) segue para segunda discussão e votação.

Outro projeto votado hoje em primeira votação foi a inserção de nomenclatura e quantitativos de funções da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul) e do CBMMS (Corpo de Bombeiros Militar de MS). A matéria também segue para sua segunda análise em plenário, em segunda discussão.

O deputado Carlos Alberto David, o Coronel David (PL) agradeceu à relatoria na CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação). “Cumprimento o Barbosinha pelo relatório na CCJR e ressalto a importância da votação deste projeto, pois regularizamos os números das funções gratificadas das funções gratificadas existentes da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar, que atenderá não só as necessidades de ambas instituições, mas de suas praças”, destacou.

Já em segunda discussão foi aprovada a proposta do MPMS (Ministério Público do Estado) que se ajusta Lei Orgânica do Ministério Público, tornando-a equivalente aos direitos concedidos na norma federal. Se sancionado, promotores de Justiça terão o direito a tirar licença compensatória para fazer curso ou seminários.

Nos siga no Google Notícias