A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

08/03/2012 12:52

Deputados de MS têm opinião dividida sobre derrota de Dilma no Senado

Wendell Reis

A presidente Dilma Roosseff (PT) sofreu na noite de ontem (7), no Senado Federal, sua primeira derrota desde que assumiu o governo. Mesmo com maioria na Casa, a presidente viu os senadores rejeitarem a recondução de Bernardo Figueiredo para a diretoria-geral da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

A bancada federal do Estado divide a opinião sobre o episódio e as possíveis consequências. O deputado Geraldo Resende (PMDB) entende que a derrota pessoal mostra a insatisfação da base do Governo no País. Ele afirma que a insatisfação não parte apenas do PMDB, mas de aliados como PDT e PSB e até dentro do próprio PT.

Para Resende, a insatisfação também deve chegar a Câmara Federal. Ele acredita que para resolver o problema o Governo precisa entender que o PMDB é aliado e não deve ser mero coadjuvante. “O que aconteceu no Mato Grosso do Sul está acontecendo em vários estados. Não tem participação dos partidos”.

O deputado Antônio Carlos Biffi (PT) não concorda com Resende. Ele acredita que o PMDB não defende um projeto para o País e sim uma disputa por cargos. Biffi acredita que o episódio deve ter retorno e já deve ser visto na eleição da mesa diretora da Câmara e do Senado, quando o PMDB deve tentar a presidência.

“O PT faz concessão demais para aliados que não têm tanto peso assim. Para eles, não importa a economia e decisão social, mas o cargo que tem. Se o País vai bem o mal não estão nem ai”. Biffi acredita que o PT deve chamar os ministros do PMDB e dizer que o partido não deve estar bem representado, tendo em vista que alguns estão descontentes.

Opinião diferente - O deputado Fábio Trad (PMDB) não concorda com a visão de Resende e Biffi. O deputado não acredita que a derrota tenha veiculação com a briga entre o PT e o PMDB. Trad explica que a briga tem relação com a disputa entre o senador Roberto Requião e o indicado da presidenta.

“Não tem vinculação direta com o manifesto do PMDB. Não é liberando verba que o PMDB vai deixar de reclamar. A questão não é verba e ministério, mas a falta de comportamento político do PT com relação a ideia de coalizão, divisão de responsabilidade e compartilhamento de função”.



Eu, não entendo nada de política e não tenho estudo como vocês, mas não sou sego e nem burro suficientemente para não enxergar que a maioria dos senadores e deputados desse país, não tem compromisso com o conjunto da população e sim com os interesses próprio e dos dos grupos de asquerosos que ajudaram a eleger a cada um deles. Brigam por cargos e quer chamar atenção da população, pára com isso.
 
JOSÉ FAGUNDES DA SILVA em 09/03/2012 09:53:50
Seria bom o Senado proibir ou corrigir, caso essa atitude fosse de profissional ou responsabilidade, mas todos so almeijam o seu próprio interesse e querem pretigiar um cara de seu grupo.
 
luiz alves pereira em 09/03/2012 07:40:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions