A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

20/02/2013 19:08

Deputados questionam atuação da Funai e cobram indenização para fazendeiros

Gabriel Neris e Paula Vitorino
Deputado Pedro Kemp não acredita que houve arbitrariedade (Foto: Giuliano Lopes/Assembleia Legislativa)Deputado Pedro Kemp não acredita que houve arbitrariedade (Foto: Giuliano Lopes/Assembleia Legislativa)

Os deputados estaduais de Mato Grosso do Sul questionaram durante a sessão desta quarta-feira (20) na Assembleia Legislativa a forma de atuação da Funai (Fundação Nacional do Índio) e cobraram do Governo Federal o compromisso de indenizar os proprietários das terras demarcadas na região sul do Estado.

Paulo Corrêa (PR) foi um dos parlamentares que mais reclamaram e ironizou. “Os antropólogos que estão fazendo este têm tatuagem de Ipanmea. Não sabem o que é Iguatemi, eles acham que Iguatemi é o Shopping Iguatemi. Eles não sabem o que é terra indígena, fazem um relatório dizendo que é terra indígena e isso vale mais do que o título de propriedade do dono”.

O estudo antropológico contratado reconheceu como território indígena uma área de 41,5 mil hectares em Iguatemi, em 46 propriedades privadas. O relatório de identificação e delimitação da terra indígena foi publicado no Diário Oficial da União de 8 de janeiro.

O deputado ressalta que a reclamação é com a demarcação e não com o direito dos indígenas. “Se tem alguém picareta nesta história é a União, que permitiu que isso acontecesse e agora terá que pagar devidamente os proprietários”. Corrêa afirmou ainda que os produtores rurais não conseguem ou estão com dificuldades de fazer empréstimos bancários. “Isso gera insegurança ao proprietário”.

A deputada Mara Caseiro (PT do B) considerou o estudo da Funai como “invasão”. “O que acontece é invasão, a equipe da Funai entra nas propriedades, mas está acontecendo como invasão. A União está tratando como brincadeira”, disse. “O Governo Federal também tem o compromisso de pagar os proprietários”, cobrou o deputado Pedro Kemp (PT).

Kemp não acredita que houve arbitrariedade. “São estudos sérios, mas que é um processo longo que está na primeira fase. A União tem que estabelecer prazos para não gerar insegurança nos proprietários e nos indígenas”, completou.

Em nota, a Funai afirmou que a área não foi demarcada, mas o estudo ficou pronto, publicado e concluído que se trata de território tradicional indígena. Conforme a nota, agora está correndo o prazo para produtores rurais e indígenas contestarem o estudo. “Após essa etapa, a Funai tem um prazo de 60 dias para encaminhar o processo ao Ministério da Justiça, para declaração da área como Terra Indígena”, informou a Funai.

Funai conclui estudo sobre terra indígena Guarani-Kaiowá em MS
Um estudo antropológico contratado pela Fundação Nacional do Índio (Funai) reconheceu como território tradicional indígena uma área de 41,5 mil hecta...
Funai amplia número de municípios para estudo de terra indígena
A Funai (Fundação Nacional do Índio) retificou portaria e ampliou de três para nove municípios a área de abrangência do estudo para identificar terra...
Deputados e senadores criticam "situação precária" de índios kaiowás no MS
Os parlamentares da comissão externa que acompanha as denúncias de violência contra indígenas guarani-kaiowá em Iguatemi criticaram as condições de v...


Seria bom alguem lembrar o caro deputado Pedro Kempi, que o territorio onde encontra-se sua casa tambem foi habitado por indios !
 
Marcio Margatto em 20/02/2013 19:18:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions