A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

06/09/2018 19:21

Em Campo Grande, Alckmin diz que geração de emprego será prioridade

Candidato à Presidência da República participa de evento com militantes no Jardim Leblon

Gabriel Neris e Humberto Marques
Candidato Geraldo Alckmin concede entrevista no aeroporto da Capital (Kísie Ainoã)Candidato Geraldo Alckmin concede entrevista no aeroporto da Capital (Kísie Ainoã)

Candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin desembarcou no início da noite desta quinta-feira (6) em Campo Grande. Na chegada, o tucano disse que a geração de empregos será a prioridade de seu governo caso seja eleito.

"Emprego será a marca do governo, é uma questão central. Se não voltar a crescer não tem dinheiro para melhorar a saúde, educação, segurança", disse. "Infraestutrura é uma resposta rápida. Emprego na veia. Vamos ter um grande programas de obras, com ferrovia, rodovia, hidrovia e aerovia. Tem que ter emprego para quem precisa, melhora o salário e o governo arrecada mais", completou.

Alckmin deixou o Aeroporto Internacional e foi para o comitê do partido no Jardim Leblon, onde será recebido por militantes do partido.

O candidato do PSDB também destacou a proximidade dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, classificando-os como irmãos. "Nós temos uma proximidade muito grande, impressionante. Há uma identidade. Na política a gente conquista, não obriga, estamos focados nas propostas do governo", disse.

Na Capital, o candidato voltou a ressaltar que está em Mato Grosso do Sul para lançar o programa de segurança na fronteira. Alckmin desembarcou em Ponta Porã no início da tarde, onde foi recebido pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Na fronteira, o tucano defendeu a integração dos setores de inteligência da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Forças Armadas juntos aos estados. "O Brasil tem um grave problema de segurança pública ligado ao tráfico de drogas e tráfico de armas. A questão das fronteiras é essencial, temos mais de 16 mil km de fronteira seca. É nosso dever proteger as famílias e do outro lado trabalhar com os países vizinhos, o crime não tem fronteira", defendeu Alckmin.

Alckmin lembrou que o Estado tem 1,5 mil km de fronteira seca com Paraguai e Bolívia e defende uma guarda nacional permanente no lugar da força nacional. "O problema não será resolvido em 24 horas. Vamos derrubar os índices de criminalidade".



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions