ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Política

Em dia de votação decisiva, 40 PMs reforçam segurança da Assembleia

Polícia Legislativa e PM estão espalhadas pelo saguão, auditório, entrada e estacionamento da Casa de Leis

Anahi Zurutuza e Leonardo Rocha | 10/12/2019 10:30
Cavalaria da PM circula pelo estacionamento da Assembleia (Foto: Leonardo Rocha)
Cavalaria da PM circula pelo estacionamento da Assembleia (Foto: Leonardo Rocha)

A Assembleia Legislativa ganhou reforço na segurança nesta terça-feira (10), dia para qual está pautada a votação da segunda reforma da Previdência dos servidores públicos de Mato Grosso do Sul em dois anos.

Apesar de todo o efetivo da Polícia Legislativa e de policiais militares estarem espalhados pelo saguão, auditório, entrada e estacionamento da Casa de Leis, não há protesto ou manifestantes à vista. A plateia do plenário está vazia.

Na segurança, são ao todo 22 homens da Polícia Legislativa e quase 20 da PM, sendo pelo menos 7 da cavalaria.

O chefe da segurança da Assembleia, Amauri Braga de Oliveira, explicou que chamou todos o efetivo da segurança para trabalhar pela manhã. "Vasculhamos as redes sociais e outras fontes. Não temos notícia de protesto, mas como temos um projeto importante, pedi para todos virem de manhã, por precaução mesmo". 

Trâmite - Em sessão extraordinária na tarde de ontem, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) aprovou com 20 emendas o texto da reforma proposta pelo Governo de Mato Grosso do Sul. Das 26 modificações propostas para o projeto do Executivo por parlamentares e representantes de magistrados, membros do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) e do TCE (Tribunal de Contas) e Defensoria Pública, quatro foram rejeitadas e duas suprimidas.

A expectativa dos deputados é concluir a análise da proposta em plenário e aprová-la até quinta-feira (12).

Integrantes da Polícia Legislativa espalhados pelo saguão (Foto: Leonardo Rocha)
Integrantes da Polícia Legislativa espalhados pelo saguão (Foto: Leonardo Rocha)
Policiais militares reforçam fiscalização da entrada (Foto: Leonardo Rocha)
Policiais militares reforçam fiscalização da entrada (Foto: Leonardo Rocha)

Experiência – Em novembro de 2017, quando deputados votaram a primeira reforma enviada pelo governo, trabalhadora lotaram a Assembleia em protesto.

Mesmo com o Batalhão de Choque da Polícia Militar enviado para impedir o acesso dos manifestantes na sede do Legislativo, a porta de vidro da entrada foi quebrada e o prédio invadido. Policiais tentaram impedir usando bomba de efeito moral e cassetetes, mas não conseguiram.

Tropa de choque da PM na frente da Assembleia durante o protesto em 2017 (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)
Tropa de choque da PM na frente da Assembleia durante o protesto em 2017 (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)
Nos siga no Google Notícias