ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 14º

Política

Em mês de reajuste salarial, secretário lembra servidores de crise financeira

Lidiane Kober | 30/04/2015 17:56
Pimentel atribuiu o arrocho a problema financeiro crônico, resultado de uma sequência de perdas de recursos (Foto: Divulgação)
Pimentel atribuiu o arrocho a problema financeiro crônico, resultado de uma sequência de perdas de recursos (Foto: Divulgação)

Em meio a pressão de médicos e professores por aumento salarial e manutenção das gratificações, o secretário de Governo e Relações Institucionais, Rodrigo Pimentel, avisou que o problema não será resolvido “com faca no pescoço”. Ele ainda atribuiu o arrocho a problema financeiro crônico, resultado de uma sequência de perdas de recursos. Insatisfeitos, os médicos já declararam paralisação a partir de quarta-feira (6) e os professores decidem na segunda-feira (4) se copiam a medida.

“Não é com faca no pescoço que vamos resolver isso. O momento é de crise e precisamos ser responsáveis. Temos uma cidade inteira para cuidar, não podemos administrar só para os 20 mil servidores”, ponderou o secretário.

Segundo ele, ainda não há uma solução para evitar a paralisação dos médicos. Pimentel deixou claro que não existe chance de atender o pedido de reajuste de 355% do salário dos médicos, porque a “folha está beirando o limite prudencial, estabelecido pela legislação”.

“Em caso de atingir o limite prudencial, a legislação nos permite medidas drásticas”, disse, fazendo menção aos cortes. Neste sentido, ele ressaltou a chance de estancar a greve via judicialização do caso. “A gente não quer judicializar”, comentou. “O fato é que a folha está inchada, não estamos escondendo dinheiro de ninguém, o momento é de crise e precisamos da compreensão de todos. O problema não é só nosso, a crise também está nos governos estaduais e federal”, completou.

A origem da crise – De acordo com Pimentel, o problema financeiro é resultado de várias ações. Ele citou corte no repasse do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de 25% para 21%, de 2012 a 2014. “Cada 1% representa quase R$ 5 milhões”, revelou. “Temos um terço da população do Estado, o ideal seria receber 33,3% da receita”, defendeu.

O secretário ainda informou que Campo Grande não seguiu, na gestão do ex-prefeito Alcides Bernal (PP), média histórica e deixou de arrecadar cerca de R$ 450 milhões em um ano. “A média histórica era de crescimento de 18% da arrecadação, mas, em 2013, no governo de Bernal, o crescimento foi de apenas 3%. Levando em conta o orçamento da Capital, de cerca de R$ 3 bilhões, isso representa em torno de R$ 450 milhões”, explicou.

Além disso, Pimentel disse que, nos três primeiros meses do ano, o repasse dos recursos federais baixou entre 30% a 40%. “Fora isso, a gestão assumiu uma série de reajustes salariais, só aos professores o aumento foi de 24%”, acrescentou.

Neste sentido, o secretário reforçou que a “situação é difícil” e pediu a compreensão dos servidores. “Pedimos paciência, em 90 dias, esperamos reequilibrar as contas, o momento não é de vaidade é de andar juntos de mãos dadas”, finalizou.

Sem paciência – Pimentel não é o primeiro secretário a pedir paciência. Titular da secretária de Saúde, Jamal Salém, fez o mesmo apelo, mas não sensibilizou o Sindicato dos Médicos, que vai manter a paralisação decidida em assembleia.

De acordo com o presidente do sindicato, Valdir Siroma, a classe não recuará da decisão, já que tenta negociar um reajuste com a prefeitura desde janeiro, quando enviou a primeira proposta. O pedido era de subir o salário base que hoje é de R$ 2.580,00 por 20 horas semanais para R$ 11.756,00, seguindo recomendação da Federação Nacional dos Médicos. A categoria também reclama dos cortes nas gratificações.

Nos siga no Google Notícias