ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEXTA  18    CAMPO GRANDE 32º

Política

Em reunião, secretário diz que R$ 39 milhões à fronteira serão mantidos

Carlos Paim assegurou recursos do Fundo Nacional de Segurança Pública em reunião com o secretário estadual de segurança

Por Izabela Sanchez | 14/08/2020 13:25
Secretário de segurança de MS, Antônio Carlos Videira, no canto direito. Ao lado dele, o secretário nacional de segurança pública, Carlos Paim, no centro e o secretário de segurança do Mato Grosso, Alexandre Bustamante (Foto: Divulgação/Sejusp)
Secretário de segurança de MS, Antônio Carlos Videira, no canto direito. Ao lado dele, o secretário nacional de segurança pública, Carlos Paim, no centro e o secretário de segurança do Mato Grosso, Alexandre Bustamante (Foto: Divulgação/Sejusp)

Depois de anunciar que a região de fronteira em Mato Grosso do Sul iria decair ainda mais em verbas, o secretário nacional de segurança pública, Carlos Paim, “prometeu” a manutenção dos 5,24% do FNSP (Fundo Nacional de Segurança Pública).

São cerca de R$ 39 milhões enviados anualmente e que servem para garantir as ações planejadas em Mato Grosso do Sul com as forças policiais. Mato Grosso do Sul tem problema histórico com a falta de repasses federais para combate aos crimes transfronteiriços, a exemplo do tráfico.

A “garantia” sinalizada pelo secretário ocorreu nesta manhã (14) na sede do Ministério da Justiça e Segurança Pública, em Brasília e foi feita ao titular da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul), Antônio Carlos Videira. Também participou o secretário de segurança do Mato Grosso, Alexandre Bustamante.

Carlos Paim ainda citou que a fronteira incidente em Mato Grosso do Sul, do lado paraguaio e boliviano, ganhará “acréscimo” para combate aos crimes.

Em nota divulgada nesta sexta-feira, a Sejusp afirma que Videira “conseguiu garantir a manutenção dos percentuais de repasses do Governo Federal para a repressão de crimes nas fronteiras do Estado com Paraguai e a Bolívia”.

Paim incluiu nas promessas, ainda, o envio de bombeiros para auxílio no combate ao fogo do Pantanal.

Acréscimo – Além de ter prometido seguir com o valor atual, o secretário citou aumento de verbas. “O Paim nos assegurou que vai reforçar os investimentos para que continuemos a atuar na repressão dos crimes fronteiriços, principalmente a área da perícia e a polícia judiciária”, disse Videira.

Entre as ações que - segundo o secretário estadual -, estão com manutenção garantida, está a operação Hórus. Na quarta-feira (12), reportagem do Campo Grande News mostrou que a Sejusp planejava retirar policiais da operação à partir de setembro em razão da perda de R$ 13 milhões no rateio do Fundo Nacional de Segurança Pública.

Até então, a proposta da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública) apresentada na última sexta-feira (dia 7) era retirar Mato Grosso do Sul do segundo lugar no ranking do Fundo e rebaixálo para o o 14º. A alteração reduziria o repasse anual de R$ 39,5 milhões para R$ 26,4 milhões.

“Sensível à problemática da fronteira o secretário [Paim] nos chamou para esta reunião e informou que vai responder o nosso ofício ainda hoje [sexta-feira], assegurando a manutenção dos recursos, em contrapartida nós garantimos a manutenção e continuidade de todas as ações da Operação Hórus na fronteira do Estado com a Bolívia e o Paraguai”, declarou Videira.

Entre as promessas, a Senasp incluiu envio de peritos para reforço à Coordenadoria Geral de Perícias na expedição de laudos e exames em drogas e veículos que são apreendidos na operação Hórus.

Videira destacou que, além disso, a secretaria “apoiará tanto o Mato Grosso do Sul, como o vizinho Mato Grosso, nas tratativas com o Ministério da Justiça e Segurança Pública com relação ao convênio em que o Estado apura, por delegação da Polícia Federal, o tráfico de drogas”.

 Inteligência – Com a reunião, o estado tem a promessa de receber ampliação das atividades de inteligência e investimento em capacidade de pessoal “especialmente de pilotos e tripulação para atuar no patrulhamento aéreo na região de fronteira”.