ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 14º

Política

Envolvido em escândalo sexual, Alceu renuncia ao mandato de vereador

Edivaldo Bitencourt e Kleber Clajus | 28/04/2015 09:38
Vereador não aguentou a pressão e diz que vai provar inocência na Justiça (Foto: Arquivo)
Vereador não aguentou a pressão e diz que vai provar inocência na Justiça (Foto: Arquivo)

O pastor evangélico e empresário José Alceu Padilha Bueno, indiciado por exploração sexual de adolescentes, renunciou, na manhã desta terça-feira (28), ao mandato de vereador de Campo Grande. Ele encaminhou uma carta ao presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar Oliveira (PMDB), que terminou de ler o documento.

Bueno teve 4.089 votos nas eleições de 2012 e era presidente regional do PSL. Na semana passada, ele renunciou ao cargo no partido e até se desfiliou da sigla. O suplente é o líder sindical e técnico de segurança no trabalho, Roberto Santana dos Santos, sem partido. Ele obteve 2,4 mil votos.

Na carta de renúncia, Alceu Bueno ressalta que vai provar na Justiça que é inocente. “Sou vítima deste escândalo”, comenta. “Sou vítima porque eu que denunciou o caso à polícia”, frisou.

O caso veio a tona com a prisão do ex-vereador Robson Martins e do empresário Luciano Roberto Pageu, que foram flagrados recebendo R$ 15 mil de Bueno. Para evitar a divulgação dos vídeos, conforme a polícia, ele pagou R$ 100 mil aos acusados de extorsão.

Eles tinham gravados imagens de Bueno com duas adolescentes. Em um dos vídeos, uma das meninas afirma que tem 15 anos de idade.

Conforme o delegado Paulo Sérgio Lauretto, da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), Bueno e o ex-deputado Sérgio Assis foram indiciados por exploração sexual de adolescentes e podem ser condenados pela Justiça a pena de 4 a 10 anos de reclusão.

Os outros envolvidos no escândalo estão presos: Pageu, Martins e o cinegrafista Fabiano Otero.

Com a renúncia, Alceu Bueno mantém os direitos políticos e se livra de enfrentar o processo de cassação no legislativo municipal.

Nos siga no Google Notícias