ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 24º

Política

Se vereador não renunciar, Câmara abrirá processante amanhã

Kleber Clajus | 27/04/2015 12:55
Entre vereadores há expectativa de renúncia e somente esta estratégia poderá barrar abertura de Comissão Processante (Foto: Kleber Clajus / Arquivo)
Entre vereadores há expectativa de renúncia e somente esta estratégia poderá barrar abertura de Comissão Processante (Foto: Kleber Clajus / Arquivo)

Caso o vereador Alceu Bueno (PSL) não renuncie o mandato, como sugere sua defesa, deve enfrentar Comissão Processante, a partir de terça-feira (28), na Câmara Municipal de Campo Grande. Se instalada, a apuração pretende investigar quebra de decoro do legislador por envolvimento em denúncia de exploração sexual de adolescentes.

O presidente da Casa de Leis, Mario Cesar (PMDB), ressaltou que aguarda chegada de inquérito da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) para embasar requerimento da mesa diretora para abertura da processante. Somente a renúncia, neste caso, poderia evitar o julgamento político que pode levar a cassação do mandato de Bueno.

Airton Saraiva (DEM) admite expectativa sobre possível renúncia que resultaria menos “dolorosa e de desgaste” para o vereador e a própria Câmara Municipal. Já Carla Stephanini (PMDB) pontua que a decisão é particular e se ocorrer impossibilitará eventual punição por quebra de decoro, porém não exime a necessidade de investigação rigorosa sobre o caso.

Trama envolvendo Alceu Bueno, marcada por extorsão superior a R$ 100 mil e que desarticulou rede de exploração sexual de adolescentes, pode ainda lhe render detenção de até 10 anos. Ele ainda não depôs sobre o caso em decorrência de “estresse elevado”, o que lhe garantiu atestado médico de 30 dias, mas já renunciou a presidência do diretório estadual do PSL.

Caso de renúncia, no entanto, não é novidade na Capital. Em 2003, a estratégia foi adotada por Robson Martins e César Disney, envolvidos à época em denúncia de crimes sexuais contra adolescentes.

Martins manteve os direitos políticos e foi inocentado das acusações três anos depois pela Justiça, porém não conseguiu mais se reeleger e acabou envolvido em caso de extorsão contra Bueno. Disney, por sua vez, morreu de câncer em 2006.

Processante – Para instituir uma Comissão Processante será necessário voto de 20 vereadores, seguido de sorteio de três membros responsáveis pela investigação. O prazo de apuração dos fatos e defesa do acusado será de 90 dias, podendo ser prorrogado por igual período.

Em seguida, a comissão emite parecer que pode ser utilizado por vereador ou cidadão para requer a cassação do mandato do legislador. A última etapa ocorre na sessão de julgamento, mediante voto de 20 vereadores.

Nos siga no Google Notícias