A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

02/04/2011 17:16

Ex-presidente do PPS de Campo Grande diz ser vítima de golpe e vai recorrer

Paulo Fernandes

Vanderlei Porto irá recorrer da decisão que o tirou da presidência

O ex-presidente da Executiva do PPS de Campo Grande Vanderlei Porto disse, neste sábado, que foi vítima de um golpe do dirigente regional, vereador Athayde Nery, e que irá recorrer da decisão que o tirou do comando.

Porto afirma que teve o mandato cassado de uma maneira ilegal, como forma de retaliação ao fato de ele ter levado ao conhecimento do partido uma suposta infidelidade partidária cometida pelo vereador.

Norma interna definiu que os candidatos do PPS deveriam apoiar somente os companheiros do mesmo partido. No entanto, segundo Vanderlei Porto, Athayde apareceu em um panfleto pedindo votos ao lado do deputado federal Geraldo Resende (PMDB), que concorria à reeleição.

“A retaliação veio em forma de uma destituição truculência. Esqueceram que temos Estatuto. E mandato não se cassa dessa maneira”, disse.

Ele afirmou que não foi advertido e que o nome dele não foi levado à Comissão de Ética. Porto disse ainda que apenas sete dos 27 participantes da reunião estavam em dia com as finanças do partido e poderiam participar da decisão que o destituiu do comando.

Vanderlei Porto afirmou que irá recorrer à direção nacional do PPS e à Justiça Eleitoral para voltar ao cargo.

Por 19 votos a 5, o partido elegeu Aldo Donizete para ficar no lugar de Vanderlei Porto.

De acordo com o presidente do Diretório Regional, Athayde Nery, a decisão foi tomada porque o partido entendeu que faltou empenho de Vanderlei Porto nas eleições de 2010.



Lamentável e constrangedor a reunião realizada neste último sábado na sede do PPS, quando convocada para uma coisa e feita outra, se não golpe não sei como definir, quando um determinado grupo sentido doloridos pela infidelidade de alguns camaradas que devem sim responder por tal fato, desde que comprovadas materialmente e com fundamentos. Exemplo: um santinho com candidato de outro partido, seria isto material? ou o fulano me disse que...isso seria prova?
Que papelão pregado pelo trio, mas por outro é admiravél o poder de persuasão dos mesmos.
 
João Carlos Leite em 03/04/2011 06:35:01
Para terminar, vcs querem saber quem fez doação para quem ???? e so entrar no site
oficial do tre-ms.gov.br e ta tudo la ???? deputado federal doando para candidato estadual (so o oficial) se não e infidelidade não sei mais nada.....so não vale informar que recebeu doação pelas poesias.....
 
luiz dias em 03/04/2011 06:04:27
Se for para levar a serio, o ideal e fechar o PPS, pois a tchurma que controla o partido, a Funsat e Fundacultura e a mesma, ou seja o suplente athayde, o mesmo que fez campanha com o geraldo resende, mandetta, os trades , pra ele não vale ?? o conselho de etica deste partido ??? fui informado que ele retirou o sr porto e "nomeou" seu chefe de gabinete pra presidir o PPS municipal, toda a nova direção e do mesmo grupinho !!!!!
O negocio e abandonar esse partido (antigo PCBão) e deixar essa turma da boquinha so!
 
luiz dias em 03/04/2011 02:38:27
Está certo o Vereador, afinal Estatuto é para ser cumprido, ou então cai fora do Partido, por isso a necessidade de reforma política.
Agora se for para levar a sério, o Presidente Regional tem que extender a decisão para todo o Estado, o Porto não foi o único.
 
Moacir Rodrigues Alcântara em 02/04/2011 07:23:05
Diante dos fatos relatados na reportagem pelo Porto, acredito que o vereador não poderia apoiar o Deputado Federal Geraldo Resende, devido a etica na politica, mais isto esta dificil hoje, mais temos que preservar os bons constumes.
 
Antonio Elias em 02/04/2011 07:13:06
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions