A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017

05/12/2013 16:36

Gasto de R$ 350 mil do presidente da CPI foi "partidarizado", diz Nelsinho

Zemil Rocha
Nelsinho vê direcionamento de gastos da CPI da Saúde para contratação de petistas (Foto: arquivo)Nelsinho vê direcionamento de gastos da CPI da Saúde para contratação de petistas (Foto: arquivo)

O pré-candidato ao governo do Estado pelo PMDB e secretário extraordinário de Articulação com os Municípios, Nelsinho Trad, denunciou hoje a forma “partidarizada” como o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde, deputado Amarildo Cruz (PT), realizou os gastos para o trabalho investigatório. “Foram R$ 350 mil gastos de forma partidarizada”, afirmou Nelsinho.

O valor, lembra Nelsinho Trad, foi admitido pelo próprio parlamentar em entrevista à imprensa, embora argumentando que a responsabilidade pelas despesas é da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. “Quanto à partidarização nas contratações, ela é evidente, a começar pelo Ronaldo Franco”, apontou o ex-prefeito da Capital, referindo-se ao advogado Ronaldo Franco, ex-secretário de Administração na gestão de Zeca do PT.

Todo o gasto da comissão estaria centralizado em Amarildo do Cruz. “Deputados da CPI me disseram que não gastaram nada, que foi tudo do presidente, exceto o relator que usou dois mil e poucos reais com assessores para elaborar o relatório final”, afirmou Nelsinho esta tarde, em entrevista ao Campo Grande News. “Fiz a denúncia porque é verdade”, declarou o secretário, observando que esses dados podem ser constatados através de declarações dos próprios deputados aos jornais.

Há inclusive suspeita de uma superdespesa que o presidente da CPI da Saúde teria contratado em São Paulo, pelos serviços de um consultor. “Teve essa contratação que foi a mais alta, em torno de R$ 65 mil, segundo tenho notícia”, denunciou.

Amarildo contesta – O presidente da CPI da Saúde, Amarildo Cruz, garante que não fez nenhuma contratação. “Não contratei ninguém. Foi a Assembleia Legislativa que contratou para dar apoio à CPI”, declarou o deputado.

Amarildo sequer confirmou que o gasto total da CPI da Saúde, em seus trabalhos, foi de R$ 350 mil. “Quem ficou responsável foi a Diretoria Financeira da Assembleia, que ficou de informar nesta semana os gastos”, disse o petista. Indagado sobre o suposto gasto de quase R$ 70 mil com um consultor de São Paulo, ele respondeu: “Até onde sei ninguém ganhou R$ 70 mil”.

As despesas feitas pela CPI da Saúde, segundo Amarildo Cruz, estão dentro da normalidade. “Foram investigados mais de R$ 4,5 bilhões de recursos do SUS no período de 2008 para cá, periciados mais de 70 mil documentos, feitas mais de 96 oitivas e visitadas 11 cidades, além de várias unidades de saúde”, relatou, lembrando que o trabalho foi executado durante seis meses.

Um trabalho minucioso e de qualidade, conforme o parlamentar, depende de pessoal especializado. “Investigação não pode ser meia boca. Não tem como conseguir contratar um bom técnico para pagar mil, dois ou três mi reais. Precisa ter gente pessoal qualificado, precisa ter perito. Prova disso é que chegamos a fundo nas investigações e tive que fazer voto em separado. A CPI chegou onde muita gente não queria”, sustentou.

Para Amarildo, as denúncias de Nelsinho Trad sobre os gastos da CPI da Saúde e sobre sua gestão na Agehab (Agência Estadual de Habitação) não passam de represália por ter feito relatório–voto à parte sobre a contratação do Gisa (Gerenciamento de Informações de Saúde) quando era prefeito de Campo Grande. “O ex-prefeito está acuado, nervoso, mas ele tem de explicar os R$ 10 milhões gastos no Gisa”, argumentou.




Prá mim, tem que se desconfiar de quem fala ou falou mal da CPI da saúde! Muita gente importante no meio dessa podridão.
 
Moisés Oliveira de Araújo em 06/12/2013 09:12:19
Pura cortina de fumaça. Sorte do deputado que pode usar a CPI como palanque, pois pelo menos ele está indicando que o ex-prefeito tem alguma responsabilidade pelo caos na saúde. Ou será que é tudo culpa do Bernal também!?
 
Antonio Pires em 05/12/2013 19:47:52
Eta Brasil, os caras instalam uma CPI, para investigar uma corrupção e aí cometem outra corrupção;
 
juvenil marques do vale em 05/12/2013 19:36:07
É facíl gastar o dinheiro público?
Quero ver qual vai ser o parlamentar que vai exigir uma CPI para investigar esse ato de corrução? Não podemos acreditar que "gastar verbas públicas atoa" é unica coisa que um certo partido sab fazer.
A legalidade tem que abrir espaço para a moralidade. Se é legal podemos fazer, mesmo sendo imoral; então, estamos comrropendo! Que futuro há para uma nação que isso virou pratica?
É hora de reforma política - Corrupção é crime hediondo.

 
Elias Barbosa em 05/12/2013 17:25:49
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions