A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

08/09/2017 13:00

Governo quer discutir a previdência e buscar um consenso, diz Marun

Intenção da base aliada é votar o projeto no mês de outubro

Leonardo Rocha
Deputado Carlos Marun falou sobre reforma da previdência (Foto: Luiz Macedo - Câmara dos Deputados)Deputado Carlos Marun falou sobre reforma da previdência (Foto: Luiz Macedo - Câmara dos Deputados)

O deputado federal, Carlos Marun (PMDB), que faz parte da base aliada do presidente Michel Temer (PMDB), disse que o governo federal quer retomar a discussão da previdência, e buscar um consens no Congresso Nacional. A proposta deve voltar a pauta dos parlamentares, no mês de outubro.

Marun adiantou que esta programação pode ser alterada, se houver nova denúncia da Procuradoria-Geral da República, contra o presidente Michel Temer (PMDB), que teria que passar novamente pela avaliação dos deputados federais. "Esperamos que não haja esta ação, até para começarmos a discutir o que realmente interessa ao País, que são as reformas".

Ele adiantou que a ordem de discussão no Congresso está a reforma política, que precisa ser aprovada até o final do mês, para ser válida em 2018, assim como o Refis (Programa de refinanciamento de dívidas dos contribuintes), que pode gerar um perdão de até R$ 220 bilhões.

"Por esta agenda, a reforma da previdência volta a ser discutida em outubro, sabemos que por estar parada há três meses, precisamos nos reunir e voltar a conversar com os parlamentares", disse Marun.

O deputado reconhece que a base aliada não tem os 308 votos necessários para sua (reforma) aprovação, mas está disposta a fazer algumas alterações, para viabilizar o projeto no plenário. "Mudanças podem ocorrer para termos consenso".

Projeto - A proposta já sofreu alterações no texto original enviado por Michel Temer (PMDB). A idade mínima para as mulheres ficou em 62 anos, porém ao homens continuou 65. O tempo de contribuição diminuiu de 49 (anos), para 40, além disto foram apresentadas regras especiais, que privilegiam os professores, policiais e trabalhadores rurais.

No caso dos policiais federais e legislativo eles terão idade mínima (aposentadoria) de 55 anos, tendo tempo de contribuição de 30 (anos) para homens, com pelo menos 20 de atividade policial, e 25 para as mulheres, com 15 (anos) exercendo a profissão. Estas regras podem ser de parâmetro aos policiais estaduais (militar e civil).

Aos professores a idade mínima será de 60 anos, com 25 de contribuição, enquanto que aos trabalhadores rurais a contribuição será de 20 (anos), com idade mínima de 60 para os homens. Já as mulheres 57 (anos), contribuindo no mínimo por 15 anos.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions