A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

30/09/2010 08:39

Grupos rivais se enfrentam na Assembleia

Redação

O clima ficou tenso na manhã desta quinta-feira na Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Houve agressões verbais e físicas entre dois grupos de manifestantes.

Um pede investigação contra o ex-governador Zeca do PT, por uso de "caixa-2" na campanha eleitoral e desvios de dinheiro em seus dois governos.

Outro protesta pedindo apuração das denúncias feitas contra a Assembléia Legislativa, o Tribunal de Justiça, o Ministério Público Estadual e o governador André Puccinelli (PMDB), candidato à reeleição.

São cerca de 100 pessoas, divididas em dois grupos de cerca de 50 manifestantes. O primeiro é formado por universitários que se dizem revoltados com as denúncias de irregularidades que envolvem o ex-governador.

O outro grupo é formado, basicamente, por integrantes do Fórum Contra a Corrupção de Mato Grosso do Sul, criado na semana passada por entidades como o CDDH (Centro de Defesa dos Direitos Humanos) e Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de MS), entidades ligadas a Zeca do PT.

Durante a confusão, o presidente da Fetems, Jaime Teixeira, trocou empurrões com um segurança da Assembleia, identificado apenas como José Emílio.

O estudante de Direito César Maksoud, 19 anos, que protesta contra o ex-governador Zeca do PT, disse ter levado uma "voadora" nas costas. Ele mostrou marcas e disse que os "rivais" estão "apelando".

Outro estudante de direito, Rafael Ortiz, de 19 anos, disse que não é ligado a qualquer um dos candidatos, mas que resolveu participar do protesto contra Zeca para fazer um contraponto às manifestações que tem sido feitas pelos partidários do ex-governador.

Os integrantes do Fórum Estadual contra a Corrupção levaram sabão em pó para lavar a entrada da Assembleia e, segundo os manifestantes, o produto está sendo jogado no rosto dos rivais.

Já um dos universitários agrediu integrante da CUT com uma das placas de protesto, até a mulher cair no chão.

Os manifestantes favoráveis ao ex-governador dizem que marcaram o protesto antes e hoje foram afrontados pelos opositores, que impediram que o Fórum fizesse a limpeza com escovões. "Quando começamos a limpar, eles partiram para cima", conta o presidente do CDDH, Paulo

imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions