A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Agosto de 2017

29/09/2015 19:00

Instabilidade política para Câmara e projeto não é votado por falta de quórum

Antonio Marques

Por conta das informações sobre o afastamento de 17 dos 28 vereadores, a Câmara Municipal não votou o único projeto de lei que estava na pauta nesta terça-feira. Não teve quórum na sessão em razão da instabilidade política que tomou a Casa e, praticamente, 80% do tempo foi destinado aos discursos para justificarem os motivos dos votos na cassação do prefeito Alcides Bernal (PP).

No início da sessão, por volta das 9h30min, chegou a ter 24 dos 28 vereadores presentes no Plenário. Porém, depois dos discursos, comandado pelo presidente em exercício Flávio César, com a participação de boa parte dos parlamentares citados na lista do pedido de afastamento feito pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) a maioria havia deixado o local por volta das 11 horas. Com isso, não houve quórum para aprovação do projeto de lei complementar 443/2014, de autoria do vereador Otávio Trad (PTdoB). Seriam necessários ao menos 15 vereadores no Plenário.

Faltaram a sessão desta terça-feira os vereadores Edil Albuquerque (PMDB); Waldeci Batista Nunes, o Chocolate (PP); Airton Araújo (PT), que estava na Casa, mas não foi ao Plenário; e Eduardo Romero (PTdoB), que estava em agenda em Brasília.

Projeto - Em turno único de discussão, o projeto dispõe sobre normas de segurança nas piscinas de uso coletivo e privados e dá outras providências, obrigando os clubes sociais e esportivos, condomínios, hotéis, motéis, academias e similares a seguirem as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para evitar acidentes com crianças, por conta da saída e retorno de água ao tanque.

O projeto de lei, que é de novembro de 2014, determina ainda que sejam colocadas grades ou tampas de proteção em todas as entradas e retornos (saídas) no interior da piscina. Também define que as aberturas tenham no máximo 10 milímetros de largura, conforme exige a ABNT, além de colocar dispositivo de emergência que interrompa o processo de sucção da água.

A partir de sancionado o projeto, todas as emissões de habite-se devem cumprir as determinações de segurança de acordo com as normas técnicas e as entidades terão o prazo de 180 dias para se adequarem a legislação, sob pena de pagar até R$ 2 mil, além de interdição da piscina se não cumprirem a lei.

Como não foi aprovado na sessão de hoje, não data definida para o projeto retomar a pauta para análise. Nesta quarta-feira não haverá sessão ordinária, em razão de uma audiência pública em que o secretário de saúde Ivandro Fonseca fará apresentação da prestação de constas da secretaria referente ao 2º quadrimeste de 2015, convocada pela Comissão Permanente de Saúde.

Juiz Sérgio Moro nega suspensão de segundo interrogatório de Lula
O juiz federal Sérgio Moro negou nesta sexta-feira, 18, o pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para adiar seu interrogatório m...
Cármen Lúcia determina que tribunais divulguem salários de magistrados
A ministra Carmen Lúcia, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), assinou nesta sexta (18) uma portaria ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions