A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

25/11/2015 14:40

Justiça garante a André e dois vereadores acesso total à Coffee Break

Michel Faustino e Antonio Marques
O advogado Rene Siufi e o ex-governador André Puccinelli deixando o Gaeco apos prestar depoimento em setembro deste ano (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)O advogado Rene Siufi e o ex-governador André Puccinelli deixando o Gaeco apos prestar depoimento em setembro deste ano (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

A Seção Criminal do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), convalidou liminar impetrada pela defesa do ex-governador, André Puccinelli e dos vereadores Carla Sthepanini e Edil Albuquerque, ambos do PMBD, para ter acesso ao procedimento investigatório criminal da operação “Coffe Break”, realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), para investigar a compra de parlamentares, na cassação do prefeito Alcides Bernal(PP).

O advogado Renê Siufi explicou que já havi feito um pedido de liminar e, posteriormente, entrou com mandado de segurança e conseguiu parte das cópias dos depoimentos. Segundo ele, mesmo o parecer da PGJ (Procuradoria Geral de Justiça) sendo favorável ao mandado, ele ainda não teria recebido todas cópias das oitivas.

Porém, com a decisão do mérito, seguindo a decisão liminar do desembargador, a turma concedeu, por unanimidade, a ele a possibilidade de acessar os documentos. Siufi disse que vai requerer novamente ao Gaeco o acesso a alguns depoimentos que ele ainda não teria recebido.

Os três vereadores, além do ex-governador André Puccinelli, negaram qualquer participação em um esquema de compra de votos de vereadores, feitos por empresários, com a intenção de cassar o mandato de Alcides Bernal (PP) , que estaria prejudicando os interesses comerciais.

Os vereadores alegaram que votaram pela cassação, em março de 2014, porque existiam provas levantadas pela CPI da Inadimplência e Comissão Processante, que apontavam irregularidades na gestão de Bernal. Já Puccinelli disse que não atuou nem para cassar o prefeito e muito menos para o seu retorno. Nesta oportunidade ainda disse que tem as contas abertas a disposição da Justiça, desde 1997.

A Operação Coffee Break foi deflagrada no dia 25 de agosto, para investigar o esquema de cassação do prefeito Bernal. No dia da ação, 13 pessoas, entre empresários e políticos, foram conduzidos coercitivamente para prestar depoimento no Gaeco. Entre eles João Amorim, dono da Proteco, João Baird, dono da Itel Informática, além de nove vereadores.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions