ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 22º

Política

Lugo promete provar que refugiados são criminosos

Redação | 03/05/2010 13:59

O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, disse que o país prepara mais provas de que os supostos líderes do EPP (Exército do Povo Paraguaio) refugiados no Brasil são criminosos.

A declaração foi dada há pouco em entrevista coletiva ao lado do presidente Luis Inácio Lula da Silva, no Centro de Convenções Miguel Gomez, em Ponta Porã.

O Paraguai contesta o refúgio dado a Victor Antonio Colmán Ortega, Juan Francisco Arrom Suhurt e Anuncio Martí Mendez pelo governo brasileiro em 2003.

O presidente Lula, na coletiva, comentou que caso haja provas de que os três cometem crimes em território brasileiro, o refúgio passará por revisão.

Eles foram presos e levados a julgamento em 2002, mas como não ficaram detidos, conseguiram fugir para o Brasil.

O grupo relatou, na época, que foram "barbaramente torturados" para confessar um crime que não cometeram e com ajuda das famílias fugiram para o Brasil, atravessando a Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu (PR).

A justiça do Paraguai tenta repatriá-los e julgá-los pelo sequestro de Maria Edith Debernardi, nora de um ex-ministro da Economia e mulher de um dos empresários mais ricos daquele país e da filha do ex-presidente Raul Cubas, que morreu no cativeiro.

Lugo ressaltou que o Ministério das Relações Exteriores e a Receita Federal do Paraguai contestam o refúgio e levou o problema à ONU (Organização das Nações Unidas).

O Conare (Comitê Nacional para os Refugiados) fará reunião até o fim deste mês e pode realizar nova análise do refúgio. O órgão, ligado ao Ministério da Justiça, somente fará a revisão se o Paraguai apresentar provas de que os três homens estejam envolvidos em ações criminosas no Brasil.

Lugo garante que há informações da polícia e dos serviços de inteligência de que os três têm envolvimento em ações criminosas. "A investigação dirá quem eles são e estamos compilando novos fatos", ressaltou.

Caso o pedido não seja revisto, Lugo promete respeitar o refúgio: "Escutaremos a decisão soberana da República Federativa do Brasil", finalizou.

Nos siga no Google Notícias