A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

14/10/2013 14:55

Marqueteiro de Bernal articulou e importou reforço para ato na Câmara

Kleber Clajus e Edivaldo Bitencourt
Agenda revela reuniões entre movimentos sociais e mobilização de pessoas do interior para integrar protestos na Câmara Municipal de Campo Grande (Foto: Kleber Clajus)Agenda revela reuniões entre movimentos sociais e mobilização de pessoas do interior para integrar protestos na Câmara Municipal de Campo Grande (Foto: Kleber Clajus)

O presidente da Fundac (Fundação Municipal de Cultura), Júlio Cabral, participou da mobilização para levar centenas de manifestantes à Câmara Municipal para defender o prefeito Alcides Bernal (PP). O grupo também buscou pessoas no interior do Estado para reforçar o protesto na terça-feira passada, quando seria votada o pedido para a instalação da Comissão Processante contra o prefeito.  Cabral também foi marqueteiro de Bernal na campanha eleitoral.

A revelação consta de uma agenda, perdida pelo presidente do MNLM (Movimento Nacional de Luta pela Moradia), Abílio Borges, durante protesto na última terça-feira (8) na Câmara Municipal de Campo Grande. O material foi encaminhado para a Polícia Civil pelo presidente da Câmara Municipal, Mario César Fonseca Oliveira (PMDB). 

As páginas trazem informações de movimentação financeira do MNLM, bem como resumo de uma reunião no dia 4 de outubro em que Julio César Cabral, que também foi marqueteiro da campanha eleitoral de Alcides Bernal (PP), teria participado.

Grifado apenas como “Cabral” estão listados quatro tópicos: “Imprensa não veicula ações e pauta as críticas; Mobilização terça fator pressão popular; Rodoviária abandonada p/ pref. c/ retirada da Guarda Municipal e Invasão Câmara”.

O Campo Grande News entrou em contato com o diretor-presidente da Fundac que negou apenas o tópico sobre a rodoviária. “Participamos da reunião, mas essa questão da rodoviária é pauta dele [Abílio], não minha. Como vou pautar problema da prefeitura? É sem noção”, disse Cabral ao reafirmar que sempre esteve aberto a receber movimentos sociais. “Estão tentando transformar uma coisa em outra”.

Abílio Borges, que foi cabo eleitoral de Bernal em vídeo de campanha, disse que irá se pronunciar sobre o caso ainda hoje, mas não definiu horário e local.

O presidente da Casa de Leis, Mario Cesar contou que foi comunicado por Abílio da perda da agenda ainda na terça-feira, mas que este só foi encontrado e entregue a Mesa Diretora no sábado (12). “Isso prova que as manifestações foram orquestradas”, disse Mario que solicitou a entrega do material para que a Polícia Civil investigue os dados.

Importação de manifestantes – Datado de 7 de outubro, há dados de que a “Frente em Defesa da Democracia de Campo Grande” trouxe pessoas de Sidrolândia, Dois Irmãos do Buriti, Aquidauana e Corguinho. Na Capital, a mobilização ocorreu nos bairros Indubrasil, Santa Mônica, Jardim Noroeste e nas aldeias urbanas Marçal de Souza e Água Bonita.

De Sidrolândia, há registro de 11 aldeias que encaminhariam manifestantes por meio do Movimento Setorial Indígena. O local de concentração foi citado como “Posto Pé de Cedro – Sidrolândia”, assim como o número de pessoas de cada aldeia.

O transporte para os protestos que cancelaram a sessão da Câmara, no dia 8 de outubro, foi realizado por ônibus da empresa Vacaria e solicitados por ofício ao Consórcio Guaicurus, conforme registro na agenda.

Governo do Estado investe R$ 9,2 milhões em infraestrutura em Caracol
Caracol vai receber mais de R$ 2,8 milhões em obras a serem executadas pelo Governo do Estado em parceria com a prefeitura e deputados federais e est...
Assembleia vota Orçamento de R$ 14,4 bilhões de 2018 na terça-feira
O Orçamento de R$ 14,4 bilhões do Governo de Mato Grosso do Sul para 2018 passará pela votação em segunda discussão na terça-feira (19) na Assembleia...


Eu sabia que tinha alguém articulando essa bagunça, as pessoas não viriam justamente nesse dia de outras cidades, que não tem nada com isso, para fazer sua manifestação, como diz o Boris da Band, isso é uma vergonha.
 
milton veiga em 14/10/2013 22:27:33
A politica do Mato grosso do sul é uma vergonha, so quero ver se o PMDB e o PT perder Para PSDB o governo,que coisa não vai ficar nosso estado e capital.
 
jorge antonio em 14/10/2013 21:34:58
Instalada a democracia, despejada como água sobre sedentos, quando tinha que ser feito a conta-gotas, nada se desvalorizou tanto quanto à classe política, em todos os níveis, é pra desanimar, vai se acreditar em quem ? TÁ DIFÍCIL.
 
julia pinoti em 14/10/2013 18:48:34
Este negocio de importar gente de fora de Campo Grande para apoiar ou não o prefeito na votação na Câmara municipal é facil de resolver, basta exigir dos postulantes que queiram assistir a sessão a apresentação do seu titulo de eleitor, se for de Campo Grande entra se não for não entra.
 
juvenil marques do vale em 14/10/2013 18:45:11
Acho que na próxima eleição devemos articular para que o povo não vote mais...
porque essa política é uma m...
ninguém quer saber do povo... cada um vendo somente seu lado...
uma vergonha...
 
alci da silva em 14/10/2013 15:37:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions