A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

16/06/2011 10:54

Ministro pede suspensão de greve nas universidades federais para retomada de negociações

Vanda Escalante

Preocupação é terminar o semestre para que não haja atraso no calendário acadêmico.

Funcionários da UFGD iniciaram a greve nesta quarta-feira (15). (Foto: Divulgação)Funcionários da UFGD iniciaram a greve nesta quarta-feira (15). (Foto: Divulgação)

O ministro da Educação, Fernando Haddad, pediu ontem (15) em audiência pública na Câmara dos Deputados que os funcionários técnico-administrativos das universidades federais suspendam a greve para que as negociações sejam retomadas.

A paralisação teve início na semana passada e conta com a adesão de servidores de 37 instituições, segundo a Fasubra (Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores das Universidades Brasileiras). Em Mato Grosso do Sul, apenas os funcionários da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) aderiu à greve. Na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), a opção foi pela não paralisação, mas nova assembleia ficou marcada par ao dia 20 deste mês.

Segundo o ministro Haddad, na véspera da reunião em que a greve foi deflagrada, ele se comprometeu com os sindicatos a pactuar com o Ministério do Planejamento um cronograma de negociações. Mesmo com a sinalização do MEC (Ministério da Educação) a categoria decidiu pela greve em uma votação apertada, com diferença de apenas dois votos a favor da paralisação.

“Essa greve não está sendo boa nem para a categoria, nem para o governo. Estou reiterando os termos da carta que foi encaminhada a assembleia”, afirmou o ministro. Haddad sugeriu que a paralisação seja suspensa e o semestre letivo concluído para que as negociações sejam retomadas. “Penso que a decisão foi equivocada. Não estou garantindo que as reivindicações serão atendidas, mas que o diálogo vai ser recolocado. Encerramos o semestre e depois, se a proposta do governo não for convidativa, que a greve seja retomada”, propõe o ministro.

A Fasubra pede que o piso da categoria seja reajustado em pelo menos três salários mínimos. De acordo com a coordenadora-geral da entidade, Léia Oliveira, hoje os servidores recebem R$ 1.034. Uma das reivindicações é que a próxima LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) traga a previsão do reajuste. O risco, no caso de uma greve prolongada, é que o começo do próximo semestre fique comprometido, já que não há como processar as matrículas se as áreas administrativas estiverem fechadas.

(Com informações da Agência Brasil)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions