A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

15/03/2016 09:50

Ministro do STF homologa delação premiada de Delcídio do Amaral

Depoimentos do parlamentar na colocação premiada já tinham sido divulgados

Mayara Bueno
Senador Delcídio do Amaral (PT-MS). (Foto: Marcos Ermínio)Senador Delcídio do Amaral (PT-MS). (Foto: Marcos Ermínio)

O ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal), homologou nesta terça-feira (15) a delação premiada fechada entre o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) e a Procuradoria-Geral da República, para colaboração nas investigações da Operação Lava Jato.

De acordo com o Portal G1, a partir deste ato, que concede validade jurídica às declarações do senador, na colaboração premiada, a PGR poderá separar os fatos contados pelo parlamentar sobre crimes e pessoas supostamente envolvidas.

Há duas semanas, a Revista IstoÉ divulgou trechos da delação de Delcídio, que pediu período de seis meses de confidencialidade, para que suas declarações não afetassem seu processo de cassação no Senado. O pedido não foi aceito pelo ministro.

Agora, já com o depoimento, a Procuradoria pode pedir novas investigações ao STF ou anexar elementos a inquéritos já em andamento. Atualmente, são ao menos 40 parlamentares e ministros investigados, além de 32 pessoas sem foro privilegiado. O depoimento ainda segue sob sigilo, embora alguns trechos já tenham sido revelados na publicação semanal.

Conteúdo - Em 400 páginas de depoimento na delação premiada pela Lava Jato, o senador Delcídio do Amaral afirmou que o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff atuaram diretamente para atrapalhar a Operação Lava Jato, que investiga desvios na Petrobras, de acordo com a Revista IstoÉ.

De acordo com a revista, a delação teria sido feita poucos dias antes da liberação do senador, em 19 de fevereiro, depois de quase três meses preso. Segundo a publicação, o senador afirma que a presidente Dilma tentou por três ocasiões interferir na Lava Jato, da qual a mais grave trata-se da nomeação do ministro Marcelo Navarro para o STJ. A função dele seria cuidar do “habeas corpus e recursos da Lava Jato no STJ”.

Ela também teria tido participação na indicação de Cerveró, antes atribuída apenas a Lula e José Eduardo Dutra, ex-presidente da BR Distribuidora, falecido no ano passado. Mas segundo Delcídio, a atuação de Dilma foi “decisiva”. As revelações têm, segundo a revista, o potencial de acelerar o processo de impeachment da presidente, no Congresso.

Sobre o ex-presidente Lula, o senador revelou que ele foi o mandante de pagamentos à família de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobas, este, por sua vez, pivô da prisão de Delcídio em 25 de novembro. A revista confirma, inclusive divulga trechos do que seriam os documentos da deleção, que Lula pediu “expressamente” para Delcídio intervir.



E agora? O que vou falar para os meus filhinhos??
 
Adriano Nunes em 15/03/2016 11:20:28
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions