A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

16/06/2016 15:21

Ministro Henrique Eduardo Alves, citado na Lava Jato, pede demissão

João Humberto
Henrique Eduardo Alves é o terceiro ministro nomeado pelo presidente interino Michel Temer a deixar o governo (Foto: Alan Marques/Folhapress)Henrique Eduardo Alves é o terceiro ministro nomeado pelo presidente interino Michel Temer a deixar o governo (Foto: Alan Marques/Folhapress)

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) pediu demissão do cargo de ministro do Turismo nesta quinta-feira (16). Conforme informações do portal UOL, a confirmação foi feita pela SIP (Secretaria de Imprensa da Presidência da República), que ainda não destacou os motivos que acarretaram na demissão.

Na quarta-feira (15), Henrique Eduardo Alves teve o nome envolvido na delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. Ele informou que o ministro teria recebido R$ 1,55 milhão em doações eleitorais proveniente de propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato.

Via twitter, Henrique chamou a delação de Machado de “leviana”. Ele disse que repudiava com veemência a irresponsabilidade e leviandade das declarações de Machado.

Conforme Alves, todas as doações para suas campanhas foram oficiais, inclusive com prestações aprovadas e disponíveis no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Ele é o terceiro ministro nomeado pelo presidente interino Michel Temer (PMDB) a deixar o governo.

Henrique Alves é alvo de dois pedidos de abertura feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao STF (Supremo Tribunal Federal), que ainda não se pronunciou. De acordo com o UOL, em um deles, a PGR (Procuradoria-Geral da República) pede que ele seja investigado por suspeitas de envolvimento no chamado “quadrilhão” investigado pela operação. Em outro, segundo a matéria, o foco é a relação de Henrique Alves com o ex-presidente da empreiteira OAS, Léo Pinheiro.

Suporte – Henrique Alves ainda é suspeito de fazer parte do grupo de políticos do PMDB que deu suporte ao ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa para que continuasse no cargo em troca de propinas destinadas ao PMDB. O ministro ainda é suspeito de ter recebido propina do petrolão para sua campanha ao governo do Rio Grande do Norte, em 2014.

(Com informações do UOL)



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions