ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 29º

Política

No uso de Fundo Eleitoral em MS, desafio é ser justo com quem tem menos chance

Partidos fazem planos de como usar recurso que virá em dobro para campanhas de vereador e prefeito em 2024

Por Caroline Maldonado | 11/01/2024 12:40
Urna eletrônica (Foto: Agência Brasil)
Urna eletrônica (Foto: Agência Brasil)

Em todo Brasil, as campanhas para eleição de prefeitos e vereadores terão R$ 4,9 bilhões em 2024. O valor mais que dobrou em relação a 2020, quando os partidos receberam R$ 2 bilhões. O recurso virá do FEFC (Fundo Especial de Financiamento de Campanha), conhecido como “Fundo Eleitoral”, e ainda não foram definidos os valores que virão para os partidos em Mato Grosso do Sul, mas os presidentes de partido já fazem planos para utilização do valor de modo a terem mais chances de eleger candidatos.

O desafio é fazer uma divisão igualitária, porém que considere investir mais nos candidatos que vão demonstrando mais força no decorrer da campanha, que dura 40 dias, abrangendo os meses de setembro e outubro. Os partidos não contam somente com esse recurso, mas também com valores próprios dos candidatos investidos em suas campanhas.

Regras - Serão distribuídos 2% igualmente entre todos os partidos; 35% entre os partidos com ao menos um deputado; 48% entre os partidos na proporção do número de deputados e 15% entre os partidos na proporção do número de senadores.

No mínimo 30% dos recursos têm que ir para candidatas mulheres e o mesmo percentual para negros.

Expectativas - Para se ter uma ideia, entre os sete maiores partidos, com mais de um milhão de filiados no Brasil e com 33,5 mil em Mato Grosso do Sul, o PT (Partido dos Trabalhadores) estima receber valor semelhante ao da última campanha de prefeitos e vereadores, que foram R$ 2,5 milhões.

Os dados de filiação estão disponíveis no portal do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O PT tem 68 deputados, segundo maior número, perdendo para o PL (Partido Liberal), que tem 99 eleitos.

Depois de chegar para a direção estadual do partido, o valor tem que ser dividido entre os candidatos na Capital e no interior. Existem cotas, previstas em lei, mas os partidos têm certa autonomia para fazer a divisão, depois de respeitadas as cotas.

No PT em MS, a regra interna é todo mundo receber recurso igual na largada e depois disso os candidatos que têm condições de produzir resultado melhor, podem receber condições melhores, conforme o presidente do diretório estadual, Vladimir Ferreira. Na Capital, o partido tem como pré-candidata à prefeitura a deputada federal Camila Jara.

Destinamos o mesmo recurso de forma igualitária da última vez. Sempre garantimos que todos recebam. Tem diferenciação das mulheres e cota racial também. Então se for candidata mulher e negra vai receber melhor. Cada partido tem sua forma, alguns são mais democráticos, outros acabam tomando decisões com base em interesses de grupos”, comenta Vladimir.

Com 42 deputados federais e mais de 2 milhões de filiados no país, o MDB também se prepara para o aumento no repasse do fundo em relação à eleição passada, conforme o presidente do diretório estadual, Waldemir Moka.

Sobre o valor do fundo, ele comenta que pode parecer muito alto, mas, nas campanhas, não é esse o recurso que mais pesa em cada candidatura.

O valor parece muito, mas a hora que distribui entre os municípios o valor que vai para cada candidato é pequeno e não representa nada na eleição do candidato. Se dependesse somente disso, dificilmente faríamos uma eleição competitiva. Tem que ter outros recursos próprios e também uma chapa competitiva de vereadores ajuda, porque vai eles vão pedir votos para aquele candidato”, explica Moka.

Presidente estadual do MDB, Waldemir Moka. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)
Presidente estadual do MDB, Waldemir Moka. (Foto: Paulo Francis/Arquivo)

A fiscalização sobre as cotas existe e é intensa, na avaliação do presidente do PSB, Paulo Duarte. O partido tem 7,8 mil filiados em MS, conforme os dados de 2022. Em Campo Grande, o PSB tem como pré-candidato à prefeitura o vereador e presidente da Câmara Municipal, Carlos Augusto Borges, o “Carlão”.

"Cada vez mais esse recurso vai ser muito fiscalizado e as punições são rigorosas. Onde for possível ir além da cota de gênero nós vamos e também estamos sempre buscando mulheres que sejam competitivas. Não vamos buscar para completar a chapa e sim fortalecer a participação das mulheres, mas dando condições iguais. Não teremos os chamados ‘laranjas’”, comenta Paulo.

Ele se refere à prática irregular de colocar candidatos sem condições de eleição apenas para cumprir cotas e destinar o recurso.

A frente do União Brasil em MS, Rose Modesto, explica que a expectativa é que o partido tenha condições de cuidar de todas as candidaturas. “Dando aos nossos candidatos as condições legais e justas para que possam fazer suas candidaturas”, destaca. Em MS, o União tem 18,3 mil filiados.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias