A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

05/10/2014 06:25

Novo governador será o 9º no cargo e terá um orçamento de R$ 13 bilhões

Ludyney Moura
Galeria dos ex-governadores de Mato Grosso do Sul (Foto: Marcos Ermínio)Galeria dos ex-governadores de Mato Grosso do Sul (Foto: Marcos Ermínio)

Mato Grosso do Sul escolhe hoje o 9º governador de sua história, que a partir de 1º de janeiro de 2015 vai administrar um orçamento de pouco mais de R$ 13 bilhões e um contingente de 66 mil servidores.

O primeiro a governar o Estado, foi Harry Amorim Costa, filiado ao então Arena, nomeado pelo presidente da República em 1979. Depois dele e do mesmo partido, Londres Machado assumiu o governo como presidente da Assembleia Legislativa. Depois disso, Marcelo Miranda ficou quatro meses em 1980 eleito pelo colégio eleitoral, mesmo sistema que conduziu Pedro Pedrossian para o seu 1º mandato, pelo PDS, onde ficou de novembro de 1980 a março de 1983.

Wilson Barbosa Martins (PMDB) foi o primeiro governador eleito em sufrágio universal, pelo voto direto. Quando ele saiu para o assumir a cadeira no Senado, seu vice, Ramez Tebet, ficou até o fim do mandato. Marcelo Miranda (PMDB) retornou ao cargo nas eleições de 1987, sendo sucedido por Pedro Pedrossian (PTB), de 1991 a 1994.

Wilson voltou ao cargo nas eleições de 1994 e ficou até 1998, quando deu lugar a Zeca do PT, que ficou por oito anos à frente do governo. Em 2007 assumiu o atual governador André Puccinelli (PMDB), que permanece até hoje e que irá empossar o próximo chefe do Executivo Estadual.

O novo governador terá uma folha salarial mensal de aproximadamente R$ 280 milhões para administrar (valor correspondente ao pagamento antecipado da última folha do do dia 1º de janeiro de 2015 para o dia 29 de dezembro).

A LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) aprovada pela Assembleia Legislativa para 2015, prevê repasses de 6,8% para 7,93% para o TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), a Assembleia Legislativa teve aumento de 2,7% para 2,9%, Tribunal de Contas Estadual subirá de 2% aos 2,2% e Defensoria Pública que hoje recebe 1,5%, irá subir para 1,8% da receita líquida.

O sucessor de Puccinelli também terá desafios à frente de autarquias, empresas e agências estaduais como a Sanesul, que na gestão atual investiu R$ 1,2 bilhão de recursos próprios em obras de ampliação e melhoria do sistema de abastecimento de água, esgoto e saneamento, e a MSGás, distribuidora de gás natural, maior fonte de arrecadação de ICMS do Estado, que enfrenta a meta de superar os atuis 31 milhões de metros cúbicos do produto que distribui ao Mato Grosso do sul.

Assembleia recebe prestação de contas e fará limpeza de pauta antes do recesso
A última semana de trabalho do Poder Legislativo de Mato Grosso do Sul em 2017 será aberta com a audiência pública para prestação de contas do govern...
Assembleia vota prorrogação de adesão a fundo que regula incentivos fiscais
A prorrogação até 30 de dezembro do prazo para que empresas beneficiadas com incentivos fiscais concedidos pelo governo do Estado se inscrevam no Fad...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions