ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SEXTA  19    CAMPO GRANDE 26º

Política

Para forçar saída de Júlio Cesar, diretoria da OAB decide renunciar

Edivaldo Bitencourt | 20/03/2014 21:09
Advogados discutem crise da Ordem dos Advogados, que pode ter eleições antecipadas (Foto: Cleber Gellio/Arquivo)
Advogados discutem crise da Ordem dos Advogados, que pode ter eleições antecipadas (Foto: Cleber Gellio/Arquivo)

A maioria dos diretores da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul) decidiu, na tarde desta quinta-feira (20), renunciar ao mandato na entidade para forçar a saída do atual presidente, Júlio Cesar Souza Rodrigues, e a convocação de novas eleições.

Além da oposição, pelo menos 22 dos 32 diretores da Ordem são contra a permanência do atual presidente no cargo. No entanto, como o processo de afastamento no Conselho Federal deve demorar e ainda há o risco de não terminar no impeachment de Júlio Cesar, os dirigentes decidiram renunciar aos mandatos.

A renúncia pode contar com o apoio de 22 dos 32 diretores, o que inviabiliza a convocação das sessões do Conselho Estadual da OAB/MS por falta de quórum e obrigará o Conselho Federal a convocar novas eleições.

Já decidiram assinar a carta de renúncia, o atual vice-presidente da OAB/MS, André Luís Xavier Machado, o secretário geral, Denner de Barros e Mascarenhas Barbosa, o secretário geral-adjunto, Jully Heyder da Cunha Souza, e o diretor tesoureiro, Jayme da Silva Neves Neto.

A renúncia da diretoria é mais uma etapa na crise da instituição, que começou com o contrato entre o atual presidente, Júlio Cesar, e o prefeito cassado Alcides Bernal (PP). Ele contratou o dirigente máximo da Ordem após a abertura de processos éticos.

O contrato entre Júlio Cesar e a prefeitura da Capital chegou a ser cancelado pela Justiça. No entanto, apesar de negar que tenha assinado o contrato, que previa o pagamento de R$ 11 mil por mês e mais uma porcentagem sobre o valor que ampliasse no rateio do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) da Capital, o presidente da OAB/MS recorreu ao Tribunal de Justiça contra a liminar que cancelou a sua contratação sem licitação pelo município.

Os diretores decidiram renunciar após o Conselho Federal, em reunião na segunda-feira (17), decidir adiar o julgamento do pedido de liminar para afastar Júlio Cesar imediatamente do cargo de presidente. Eles decidiram enviar uma comissão de advogados para acompanhar a situação no estado.

Segundo Jully Heyder, a atual diretoria teme que o Conselho Federal não destitua o dirigente do cargo. No encontro de hoje, que teve a presença de 110 advogados, eles decidiram renunciar e inviabilizar a instituição. Neste caso, sem condições de dar andamento aos trabalhos, a OAB seria obrigada a convocar novas eleições e afastar Júlio Cesar.

“Não podemos deixar que a nossa imagem se confunda com a do Júlio”, explicou Jully, sobre a decisão considerada drástica. No entanto, ainda não está definido se todos os 22 diretores que são contra Júlio Cesar vão renunciar. A carta de renúncia do grupo deve ser apresentada nesta sexta-feira ou no início da próxima semana. “Estamos colhendo assinaturas”, contou o secretário geral-adjunto.

Hoje, um grupo de advogados divulgou uma carta em que pede a renúncia da atual diretoria. A divulgação causou constrangimento entre os diretores, porque só teria sido divulgada porque a oposição já sabia da reunião de hoje para discutir a renúncia e teria se aproveitado da situação para faturar.

Nos siga no Google Notícias