A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

18/04/2016 12:29

Para Moka, impeachment de Dilma também será aprovado no Senado

Leonardo Rocha
Moka diz que Senado deve seguir mesmo caminho da Câmara (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)Moka diz que Senado deve seguir mesmo caminho da Câmara (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) acredita que o Senado Federal deve aprovar o impeachment contra a presidente da República, Dilma Rousseff (PT), seguindo a mesma decisão que tomou a Câmara dos Deputados, domingo (17), em Brasília. "Aqui não será diferente", disse nesta segunda-feira (18) o peemedebista, que também é a favor da saída da petista.

Moka ressalta que o processo deve chegar nesta tarde ao Senado e logo na sessão de amanhã (19), o presidente, o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), deve pedir aos partidos que indiquem os integrantes da comissão especial do impeachment. "Como na quinta-feira (21) teremos um feriado nacional, acredito que a primeira reunião fique para semana que vem".

Para o senador, a tendência é que na primeira fase deste processo, quando se acolhe ou rejeita a denúncia, os demais colegas do parlamento votem a favor, o que vai resultar no afastamento imediato da presidente. "Nesta primeira votação se precisa apenas da maioria simples, 41 votos, o que vai se conseguir com tranquilidade".

O peemedebista também está confiante para o julgamento final, onde se precisar de dois terços de votos, ou seja, 54 senadores a favor do impeachment. "Acredito que vai ser aprovado, a situação da presidente aqui não será diferente do que ocorreu na Câmara dos Deputados", avaliou.

Moka ponderou que há muito tempo é favorável tanto ao impeachment, como a saída do PMDB da base aliada, dizendo que o partido já deveria ter entregado os cargos no passado, se desvinculando da administração petista. Ele espera que uma nova gestão possa tirar o País da crise econômica e política que se encontra no momento.

No Senado Federal, a bancada de Mato Grosso do Sul conta com três integrantes: Waldemir Moka e Simone Tebet do PMDB e Delcídio do Amaral (sem partido). Todos disseram que vão votar a favor do impeachment. O último inclusive adotou esta postura após deixar o PT e realizar uma delação premiada, onde cita a presidente Dilma (Rousseff) e o ex-presidente Lula, em atos e procedimentos ilegais.



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions