ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 25º

Política

Plano com polêmica sobre gênero será votado hoje em regime de urgência

Aline dos Santos e Juliana Brum | 23/06/2015 11:31
No plenário, grupo protesta contra política de gênero em escola. (Foto: Juliana Brum)
No plenário, grupo protesta contra política de gênero em escola. (Foto: Juliana Brum)

Com polêmica em torno da política de gênero, o Plano Municipal de Educação será votado hoje na Câmara de Campo Grande.

Na sessão desta terça-feira, a oposição ensaiou pedir uma audiência pública para discutir os pontos controversos, mas o líder do prefeito, vereador Edil Albuquerque (PMDB), recolheu 21 assinaturas para acelerar a tramitação. Conforme a política nacional, o prazo para votar o plano termina amanhã.

Em Campo Grande, a exemplo de outras cidades brasileiras, a questão de gênero motiva impasse. Na Capital, a garantia de acesso dos transexuais e travestis ao banheiro e o direito de usar o nome social nas escolas fomentam polêmica.

Autor do pedido de audiência pública, o vereador Paulo Pedra (PDT) reclamou que o projeto chegou à Câmara no dia 16 de junho. A tentativa de reunião para ampliar o debate ainda teve apoio da oposição, formada pelos vereadores Luíza Ribeiro (PPS), Thaís Helena (PT) e Marcos Alex (PT).

O presidente da Casa de Leis, Mário Cesar (PMDB), também assegurou que o texto será votado hoje. “Vivemos um conflito de interesses, mas esse projeto vai de encontro ao direito coletivo. O projeto tem prazo para ser cumprido, dado pelo governo federal, assim o faremos”, afirma.

A votação deve ser longa. De acordo com Edil, cada ponto polêmico da política de gênero será discutido em plenário. Caso o projeto não seja votado até amanhã, o município pode perder recursos.

O secretário municipal interino de Educação, Wilson do Prado, defende que o plano seja cumprido conforme proposto no projeto. Ele não vê problema em debater o uso de nomes sociais nas escolas. O plano é elaborado há mais de um ano e meio.

Nos siga no Google Notícias