A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

16/07/2015 09:23

Prefeitura perdeu R$ 100 milhões com valor defasado do IPTU, diz secretário

Antonio Marques
Secretário Ivan Jorge revelou que a prefeitura perdeu R$ 100 milhões de receita do IPTU por falta de atualização dos imóveis (Foto: Fernando Antunes)Secretário Ivan Jorge revelou que a prefeitura perdeu R$ 100 milhões de receita do IPTU por falta de atualização dos imóveis (Foto: Fernando Antunes)

O secretário adjunto de Planejamento, Finanças e Controle, Ivan Jorge, disse que a falta de atualização do valor dos imóveis desde 2011 acarretou em uma perda R$ 100 milhões em receita com o IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano) para o município. 

Em entrevista ao programa Tribuna Livre, da Rádio Capital, Ivan Jorge, declarou que o IPTU em Campo Grande era atualizado anualmente, mas que a última vez que isso ocorreu foi em 2011, durante o governo de Nelsinho Trad (PMDB). “De la pra cá não tivemos mais atualização dos valores dos imóveis e perdemos cerca de R$ 100 milhões na receita", estimou.

Além disso, ele lembrou que a prefeitura teve baixa na receita em 2015 no valor de R$ 200 milhões, considerando-se a estimativa prevista no orçamento aprovado no ano passado para ser efetivado neste ano. O ponto crucial foi a baixa no repasse do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), principal receita do município. “O governo anterior rebaixou o índice do repasse para 21,4%, diante de uma previsão de 23%. Estamos questionando judicialmente para rever esse rebaixamento no índice. Para 2016 deve ser regularizado”, comentou.

O secretário revelou que o prefeito já sabia dos problemas financeiros de 2015. Lembrou em reunião no dia 19 de janeiro do secretariado municipal, todos foram comunicados que seria necessário cortar gastos no valor de R$ 300 milhões, em razão da previsão da queda de receita para o ano. A partir daí iniciou-se as medidas de ajustes, como a redução da folha de pagamento, que deveria cair R$ 22 milhões no ano. “Conseguimos reduzi-la em R$ 12 milhões, ainda precisamos diminuir R$ 10 milhões para se enquadrar à Lei de Responsabilidade Fiscal”, explicou.

Ivan Jorge disse ainda que o escalonamento no pagamento da folha do mês de julho, a ser paga em agosto, é algo momentâneo, mas que ainda não pode afirmar que volte a ocorrer mais a frente. Para evitar novo parcelamento, a prefeitura depende do aumento da receita. Em agosto, será lançado o programa de conciliação de dívidas judiciliazadas, com possibilidades de descontos nas atualizações e juros. “Essa receita vai nos auxiliar no pagamento da folha de agosto, a ser paga em setembro”, afirmou o secretário.

Câmara de Conciliação resolve 95% dos casos recebidos no primeiro mês
A Câmara de Conciliação da Defensoria Pública conseguiu resolver 95% de todas as sessões realizadas em junho e julho sem a necessidade de processo ju...
Marun ainda quer votar relatório da JBS antes de posse no ministério
Na véspera de ser empossado como ministro da Secretaria de Governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inqué...


IPTU caro acabou de ter reajuste fora do normal, ahhh por favor!!!!
Vai procurar o que fazer...
 
gabriel em 16/07/2015 13:34:23
Pagamos o quarto IPTU mais caro do Brasil e ele ainda esta defasado,imagina se estivesse atualizado,ja seria o primeiro ou segundo.
Os problemas financeiros da capital tem nome e chama-se má gestão e incompetência.
O maior mal no Brasil que ao invés de reduzir custos pra diminuir a maquina publica,cortando cargos comissionados,desvios e falcatruas é mais fácil aumentar a carga tributaria e arrancar da população a diferença.
E infelizmente isso é um mal nacional em qualquer esfera do poder publico.
 
Cesarlond em 16/07/2015 10:52:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions